0

Melhor de 2011, Cielo se emociona e relembra ano de ressurgimento

19 dez 2011
20h57
atualizado em 20/12/2011 às 08h49

Em poucos minutos, César Cielo conseguiu expressar com palavras a superação ao longo da temporada de 2011. Com o discurso na noite desta segunda-feira na entrega do Prêmio Brasil Olímpico, no qual foi escolhido o melhor atleta masculino do ano, Cielo chorou e relembrou os problemas do ano, marcado pelo registro de doping em junho, e da própria volta por cima.

» Veja conquistas amorosas dos atletas que podem brilhar em Londres
» Confira os brasileiros que já garantiram vaga nos Jogos de Londres

Cielo testou positivo para furosemida no primeiro semestre, durante o Troféu Maria Lenk, e o caso foi divulgado pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) em junho. Originalmente, a Federação Internacional de Natação (Fina) puniria o atleta por três meses, o que o tiraria do Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos, disputado em julho na cidade chinesa de Xangai.

A pena, porém, não veio. O Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) apenas advertiu Cielo, em julgamento realizado já na China. O resultado manteve o brasileiro na competição, mas gerou protestos de alguns rivais - o francês Fréderick Bousquets, o queniano Jason Dunford e o sul-africano Roland Schoeman chegaram a se manifestar publicamente contra a presença de Cielo no Mundial.

Cielo deu de ombros. Em Xangai, conquistou duas medalhas de ouro, nos 50 m livre e nos 50 m borboleta. Em outubro, confirmou o favoritismo e faturou mais quatro outros nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara: 50 m livre, 100 m livre, 4x100 m livre e 4x100 m medley. Com importantes resultados no ano, acabou premiado pelo Comitê Olímpico Brasileiro nesta segunda, em cerimônia no Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Tudo isso foi lembrado por Cielo no discurso. "Queria agradecer a todo mundo que votou em mim, pelo suporte que eu recebi neste ano", iniciou o nadador, com uma lista de agradecimentos que envolveu patrocinadores, o técnico Albertinho, a família e a presidente do Flamengo, Patrícia Amorim - em breve momento de aplausos dos flamenguistas da plateia.

"Foi um ano de muita superação, de um desafio. Até tentei escrever alguma coisa para vocês, mas nada transparecia o que sinto", declarou Cielo, lembrando o "buraco" da temporada.

Depois, emocionado, suspirou e chorou, com dificuldades para concluir o pronunciamento. "A gente pode mais do que imagina. As pessoas se subestimam, espero ter mostrado que podemos sonhar. Esse foi um grande aprendizado para eu defender minhas medalhas na Olimpíada. Isso aqui foi o carinho que eu precisava", agradeceu, encerrando suas palavras.

Fonte: Terra
publicidade