0

Leandro Almeida se emociona ao lembrar do pai e promete ano diferente

26 jan 2016
16h27
  • separator
  • 0
  • comentários

Escolhido para dar entrevista coletiva nesta terça-feira, Leandro Almeida embargou a voz e se emocionou. Ao prometer um ano diferente, o zagueiro, que sofreu com críticas da torcida em 2015, lembrou do pai, falecido há dois anos, que era fã dos defensores do Palmeiras no fim da década de 1990.

“Perdi meu pai há dois anos. Pô, é difícil lembrar...”, disse Leandro. “Acompanhávamos o Palmeiras e ele gostava muito do Júnior Baiano, do Roque Júnior, do Cléber, os caras que sentavam a madeira mesmo. Ele era zagueirão da roça e, mesmo sem torcer para o Palmeiras, focava, falava que o Palmeiras é grande. De repente, quando surgiu a proposta do Palmeiras, realizei o sonho dele.”

Mineiro como o pai, o zagueiro quer 2016 diferente. “Ele mostrava para todos que o filho é jogador e, infelizmente, não está aqui para presenciar o filho no Palmeiras. Mas sei que está lá em cima observando e quero dar alegria a ele mesmo estando longe. Quero vestir a camisa e dar alegria para ele, torcida e diretoria, a quem agradeço pela confiança”, prosseguiu.

A temporada, ao menos, começou diferente. Leandro Almeida foi titular nos dois jogos do torneio amistoso disputado pelo clube na semana passada, no Uruguai, porque Vitor Hugo se queixou de dores musculares. “No ano passado, não fiz pré-temporada com o time. Neste ano, será diferente também por isso. Se cheguei ao Palmeiras, é porque tenho potencial e acredito no meu trabalho, assim como tenho a confiança do Marcelo Oliveira e dos meus companheiros”, prometeu.

“Joguei em todos os clubes e tenho vontade de jogar aqui, mostrar a minha qualidade. Infelizmente, não tive uma sequência muito boa. Mas, neste ano, será tudo diferente para mim. Estou focado no Palmeiras e quero vestir essa camisa por vários anos para dar alegria para a torcida”, continuou o zagueiro, com contrato até junho de 2019.

A meta de Leandro Almeida é desfrutar melhor também de título, já que não pôde atuar na Copa do Brasil porque tinha jogado a competição pelo Coritiba. “É muito gostoso ser reconhecido jogando no Palmeiras e sendo campeão. Mesmo sem eu jogar, os torcedores agradecem e tiram foto. Imagina jogando... Estou me dedicando ao máximo, honrando a camisa. Deve ser incrível essa sensação sendo campeão e jogando”, imaginou.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade