Pan-Americano 2007

Pan-Americano 2007

Segunda, 30 de julho de 2007, 07h24  Atualizada às 07h45

Rio tem "dia da xepa" com o fim do Pan


Enquete

O desempenho dos atletas brasileiros no Pan foi satisfatório?

Sim
Não

Busca
Saiba mais na Internet sobre:
Faça sua pesquisa na Internet:

Nem mesmo o tenista Flávio Saretta havia garantido sua medalha de ouro na última competição dos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, neste domingo, e a capital fluminense já vivia um clima de fim de feira.

» Megaenquete: vote agora
» No Rio, Brasil tem melhor desempenho da história
» Pira é apagada e "balada" encerra o Pan do Rio

Com a insistente chuva atingindo a cidade desde as primeiras horas do dia, muitos deram adeus antecipado ao Pan. A cerimônia de encerramento, com público bastante reduzido, teve mais cara de formalidade do que de festa.

Sob o céu cinza, os locais de competição começaram a ter parte de suas estruturas desmontadas. O vai-e-vem de funcionários carregando caixas e madeiras faziam o Rio de Janeiro parecer imerso em uma prolongada "hora da xepa".

Muitos buscavam tirar algum proveito das últimas horas dos Jogos. Em Copacabana, na Megaloja do Pan, compradores aproveitavam as liquidações. Roupinha de criança de R$ 60 por R$ 40.

"Vou levar para a minha sobrinha", dizia um dos que precisava de mais mãos para segurar tantos presentinhos. Em outra gôndola, uma garota reclama com a mãe. "Não achei nada que preste para mim".

Já na Arena Olímpica, na Barra da Tijuca, por exemplo, um voluntário insistia com os jogadores brasileiros de basquete para trocar sua jaqueta azul fornecida pela organização pelo agasalho oficial da delegação verde e amarela. Na saída do complexo, árvores e placas de sinalização caídas. E ninguém para levantá-las.

Perto dali, no Riocentro, onde foram disputadas modalidades de quadra e lutas, entre outras, os portões dos pavilhões pareciam órfãos sem os soldados da Força Nacional com suas roupas camufladas e metralhadoras a tiracolo.

Por fim, no Estádio do Maracanã, após a realização do anúncio oficial do fim dos Jogos e da chama pan-americana se apagada, a imagem do Beijoqueiro era desoladora.

O mesmo senhor de 67 anos que alegremente beijou a jogadora Marta na final do futebol feminino desta vez tinha cara de choro. Levou um soco de alguém que não gostou dos beijinhos em um restaurante. Coincidência ou não, a energia do Pan já não era mais a mesma.

  • Envie esta notícia por e-mail
  • Imprima esta notícia