Pan-Americano 2007

História

Santo Domingo 2003

Nos Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo, na República Dominicana, o Brasil conseguiu superar os recordes que havia conquistado na edição anterior do Pan, em Winnipeg, quando o País já havia obtido seu melhor desempenho na história.

O Brasil levou sua maior delegação para uma edição dos Jogos: 467 atletas, sendo 280 homens e 187 mulheres, competindo em todos os esportes, menos no hóquei na grama, no softbol, no raquetebol e na pelota basca. Comparando com Winnipeg, o Brasil teve um aumento de 21,7% no total de medalhas (123 a 101). Nas de ouro, 16% a mais (29 a 25); nas de prata, um pulo de 25% (40 a 32); e, nas de bronze, 23% (54 a 44).

Na briga pelas medalhas, os Estados Unidos continuaram soberanos. Eles ficaram em primeiro no quadro geral de medalhas, com 270, sendo 117 de ouro. Em segundo, Cuba, com 152 medalhas no total e 41 de ouro. Na terceira colocação, a briga mais disputada no quadro. O Brasil ficou atrás do Canadá por muito pouco. Os canadenses conseguiram 128 medalhas, sendo 29 de ouro.

Com algumas obras dos locais de competição finalizadas em cima da hora e problemas de organização, os Jogos se destacaram pela empolgação dos dominicanos.

Destaques também não faltaram para os brasileiros. A final masculina do tênis, entre Fernando Meligeni e Marcelo Ríos, do Chile, virou antológica. Meligeni decidira se despedir das quadras e escolheu o Pan de Santo Domingo como sua última competição oficial. Na decisão, tendo pela frente um ex-número 1 do tênis mundial, o tenista não se entregou mesmo quando perdia o jogo por 1 set a 0 e 5/4 com saque contra no segundo set, mas virou uma partida de quase três horas e fechou sua carreira com a medalha de ouro.

Quem também se superou foi o nadador Rogério Romero. Aos 33 anos, o veterano venceu os 200m costas. A natação, aliás, quebrou o recorde de medalhas conquistadas por uma modalidade brasileira em uma única edição de Jogos Pan-Americanos (que era da própria natação, com 16, em Mar del Plata, Argentina, em 95, e do atletismo, com o mesmo número em Winnipeg) e somou 21.

Além de Romero, Fernando Scherer, o Xuxa, fez bonito e se tornou tricampeão Pan-Americano ao vencer os 50m livre, derrotando o então campeão olímpico da prova, Gary Hall Jr., dos EUA. Em Santo Domingo, assim como Xuxa, o iatista Robert Scheidt atingiu a marca de três títulos consecutivos em Pans, confirmando o favoritismo na classe Laser.

Os dois igualaram os feitos de Adhemar Ferreira da Silva (campeão do salto triplo em Buenos Aires, Argentina, em 1951; Cidade do México, em 55; e Chicago, EUA, em 59) e Eronilde Araújo (vencedor dos 400m com barreiras em Havana, Cuba, em 91; Mar del Plata, em 95; e Winnipeg, em 99).

Gustavo Borges, na natação, e Hugo Hoyama, no tênis de mesa, travaram um duelo particular. Os dois começaram e terminaram os Jogos como os brasileiros com o maior número de medalhas de ouro na História do Pan até então. Gustavo, com o revezamento 4x100m livre (ao lado de Xuxa, Carlos Jayme e Jáder Souza), no qual o Brasil foi bicampeão, e Hoyama, que venceu nas duplas ao lado de Thiago Monteiro, passaram a somar oito medalhas douradas cada. Gustavo ainda ganhou mais três medalhas (prata nos revezamentos 4x100m medley e 4x200m livre e bronze nos 100m livre), atingindo a marca recorde de um brasileiro nos Jogos: 19.

O judô também teve excelente desempenho, conquistando oito medalhas, sendo cinco de ouro. O time masculino de basquete (ganhando da seleção local na decisão, com o Palácio dos Esportes Virgilio T. Soto totalmente lotado), a equipe feminina de handebol e a de ginástica rítmica desportiva (GRD) foram bicampeões, assim como a tenista Joana Cortez, que venceu de novo nas duplas do tênis, agora ao lado de Bruna Colósio, e Vanderlei Cordeiro, na maratona. A karateca Lucélia de Carvalho, além de ser bicampeã, tornou-se a primeira mulher brasileira a ganhar o ouro em duas edições consecutivas do Pan em provas individuais.

Em abril de 2004, oito meses após o fim dos Jogos, o Brasil teve confirmado outro bicampeonato, o do revezamento 4x100m do atletismo (com André Domingos, Claudinei Quirino, Edson Luciano e Vicente Lenílson). A Organização Desportiva Pan-americana (Odepa) confirmou que, devido ao resultado positivo do antidoping do norte-americano Mickey Grimmes após a prova dos 100m rasos (vencida por ele), os EUA também deveriam perder o ouro no 4x100m (no qual Grimmes integrou a equipe) porque o revezamento fora disputado depois da final dos 100m. Com isso os brasileiros, que tinham conquistado a medalha de prata, herdaram o ouro.

No torneio masculino de handebol, o Brasil conseguiu uma vitória espetacular contra a Argentina, na prorrogação. No futebol, a Seleção feminina brilhou e derrotou o Canadá na final por 2 a 1, com um gol de ouro, também no tempo complementar.

Outras gratas surpresas aconteceram. O Brasil conseguiu suas primeiras medalhas nos saltos ornamentais. O ouro até então inédito veio na maratona para mulheres, com Márcia Noarloch, na canoagem, com Carlos Campos e Fábio Demarchi, e na patinação artística, com Marcel Stürmer. Na natação sincronizada, o conjunto brasileiro ficou em terceiro e conquistou uma medalha que não ganhava há 40 anos, desde o Pan de São Paulo, em 1963. No dueto, as gêmeas Isabela e Carolina de Moraes repetiram o bronze de Winnipeg, com o detalhe de que Carolina competiu em Santo Domingo com uma fratura no pé direito.

A equipe masculina do Brasil, que tinha Danilo Nogueira, Diego Hypólito, Michel Conceição, Mosiah Rodrigues, Victor Rosa e Vitor Camargo, conquistou seis medalhas ao todo. Em 2005, Diego Hypólito se tornaria campeão mundial do solo.

Divulgação
Maior delegação garante recorde de medalhas para o Brasil
Quadro de medalhas
País       Total
Estados Unidos 117 80 73 270
Cuba 72 41 39 152
Canadá 29 57 42 128
Brasil 29 40 54 123
México 20 27 32 79
» Veja o quadro completo
Participantes

Número de países: 44

Países: Antígua e Barbuda, Antilhas Holandesas, Argentina, Aruba, Bahamas, Barbados, Belize, Bermuda, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Dominica, El Salvador, Equador, Estados Unidos, Granada, Guadalupe, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Ilhas Cayman, Ilhas Virgens, Ilhas Virgens Britânicas, Jamaica, Martinica, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Porto Rico, República Dominicana, Santa Lúcia, São Cristóvão e Nevis, São Vicente e Granadinas, Suriname, Trinidad e Tobago, Uruguai e Venezuela.

Atletas

Total: 5.500

Atletas do Brasil: 467

Esportes

Número de esportes: 35

Esportes: atletismo, badminton, basquete, beisebol, boliche, boxe, canoagem, ciclismo, esgrima, esportes aquáticos (natação, natação sincronizada, saltos ornamentais, pólo aquático), esqui aquático, futebol, ginástica (artística e rítmica), handebol, hipismo, hóquei sobre grama, judô, karatê, levantamento de peso, lutas, patinação sobre rodas, pelota basca, pentatlo moderno, raquetebol, remo, softbol, squash, taekwondo, tênis, tênis de mesa, tiro com arco, tiro esportivo, triatlo, vela e vôlei (vôlei e vôlei de praia).