Pequim
 
Brasil
 

Pequim 2008

Quarta, 9 de julho de 2008, 10h18

BIMC é a nova casa dos correspondentes em Pequim

  • Notícias

O Centro Internacional de Mídia de Pequim (BIMC, em inglês), que serve como o centro dos meios de comunicação para correspondentes sem autorização durante os Jogos Olímpicos, foi aberto na última terça-feira em Pequim.

"O Centro Internacional de Mídia de Pequim será uma casa amigável para correspondentes até 17 de setembro", disse o diretor do BIMC, Zhai Huisheng.

"O BIMC oferecerá conveniência para o trabalho e a vida de jornalistas e esperamos que eles possam se sentir em casa", acrescentou Zhai.

Localizado a 2km do Centro de Imprensa Principal, o BIMC é a casa para repórteres que não têm autorização de mídia olímpica.

Prevê-se que mais de cinco mil correspondentes não autorizados estejam na cidade durante a Olimpíada. Os não autorizados, diferentes dos autorizados, não podem entrar nos estádios olímpicos, mas eles prestam mais atenção a acontecimentos fora dos Jogos.

De acordo com Zhai, jornalistas podem receber informações sobre a China e Pequim além dos Jogos Olímpicos durante o evento esportivo.

"O BIMC realizará duas ou três entrevistas coletivas por dia, e quanto aos temas mais discutidos, como proteção ambiental, segurança e tráfego, convidaremos profissionais relevantes para comunicar diretamente com repórteres", afirmou Zhai.

O BIMC é um hotel decorado que ocupa uma área de 60.000m², do primeiro ao quarto andar, são preparadas três áreas de trabalho, duas salas de entrevista, uma área de exposição e uma zona de refeições. Acima do quarto andar são todos quartos para jornalistas durante os Jogos Olímpicos.

A sala principal de conferência pode receber cerca de 500 pessoas, e a outra, aproximadamente 200. As três áreas de trabalho, onde 570 jornalistas podem estar ao mesmo tempo, têm 200 computadores para os sem laptops.

Embora haja muitos correspondentes não autorizados, e o espaço das áreas de trabalho seja limitado. Uma grande área para equipamento wireless pode satisfazer a demanda.


Agência Xinhua