Pequim
 
Brasil
 

Pequim 2008

Quarta, 30 de julho de 2008, 02h45 Atualizada às 06h25

Abertura: Brasil será 39º na ordem dos desfiles

  • Notícias

A ordem de desfile das delegações na abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim, no dia 8 de agosto, será de acordo com o os nomes dos países em chinês, de acordo com o jornal China News. O Brasil será o 39º país a desfilar.

» Remadores divergem sobre poluição
» China defende supostos "gatos"
» China manterá censura à Internet
» Pequim distribui 40 mi de flores

Com o sistema, que já foi usado em Atenas 2004, a delegação de Guiné-Bissau será a primeira a desfilar, depois da Grécia, pioneira dos Jogos Olímpicos e que sempre encabeça o desfile.

Por causa desta reordenação, a Austrália, que seria a terceira a desfilar se fosse adotado o inglês, idioma oficial do Comitê Olímpico Internacional (COI), passou para a 203ª posição, quase no final da cerimônia.

O presidente do Comitê do Olímpico Australiano, John Coates, disse em Pequim que "não há muita diferença" entre desfilar no começo ou no fim da cerimônia.

"Ser o primeiro não quer dizer que você pode dormir antes do fim da cerimônia. Todos têm de esperar", brincou. O desfile da cerimônia deve ser fechado por Zâmbia, segundo a ordem dos nomes em chinês, e pela China, país anfitrião.

Olimpíada no Terra: ao vivo e exclusivo
Os Jogos de Pequim serão realizados de 6 a 24 de agosto. O Terra irá transmitir ao vivo e com exclusividade a competição em 13 canais simultâneos de vídeo. Além disso, os usuários terão a possibilidade de assistir novamente a todo o conteúdo a qualquer momento. Todo o acesso será gratuito. Os internautas terão um importante papel no site especial do Terra, que será totalmente construído a partir do conteúdo gerado pelo usuários. Na área Fanzone, o usuário poderá ser o comentarista, gravar vídeos com sua câmera e compartilhá-los com a audiência do Terra. O internauta já pode enviar vídeos, fotos e textos para os atletas e as equipes. Clique e participe. Os vídeos estarão disponíveis a partir do dia 6.


EFE