Pequim
 
Brasil
 

Pequim 2008

Quinta, 21 de agosto de 2008, 12h29 Atualizada às 14h00

Brasil domina, não marca e entrega ouro aos EUA

Brasileiras lamentam mais uma derrota para os EUA
Brasileiras lamentam mais uma derrota para os EUA
AFP

Direto de Pequim

Mais de 51 mil pessoas assistiram a um jogo que parecia uma repetição da final feminina do torneio olímpico de futebol de Atenas 2004. Outra vez as norte-americanas acabaram com o sonho do ouro da Seleção Brasileira e derrotaram a equipe verde e amarela na prorrogação da decisão dos Jogos de Pequim por 1 a 0, garantindo a medalha dourada. As brasileiras tiveram mais toque de bola, mais volume de jogo, mas não conseguiram balançar as redes dos EUA e ficaram novamente com a prata.

Os números mostram que o volume de jogo brasileiro foi superior ao das norte-americanas. 60% da posse de bola para o Brasil, contra 40% dos Estados Unidos. No ataque, mais finalizações da equipe verde e amarela: 13 contra 11. Foram 15 escanteios brasileiros, enquanto os EUA tiveram apenas três tiros de canto. Na defesa, mais domínio do Brasil. 40 desarmes contra 22 das adversárias.

Com o triunfo, os Estados Unidos sobem ao lugar mais alto do pódio em Olimpíada pela terceira vez na história. Os outros ouros vieram em Atlanta 1996 e há quatro anos, na Grécia. Na ocasião, em 2004, as norte-americanas venceram por 2 a 1, também na prorrogação, com um gol na morte súbita após os 90 minutos do tempo normal.

Em Pequim, a Seleção havia conseguido espantar o primeiro fantasma na semifinal: as alemãs. As européias derrotaram o Brasil na final do Mundial do ano passado. No entanto, faltavam as norte-americanas e, após um 0 a 0 no tempo normal, a equipe dos EUA conseguiu sair na frente do marcador, segurar o jogo e garantir o ouro.

Se na partida entre a Seleção Brasileira masculina e a Argentina Fabio Capello, técnico da Inglaterra, e Diego Armando Maradona assistiram ao jogo, outras estrelas do esporte marcaram presença nesta quinta-feira para ver as meninas do futebol.

Além de Kobe Bryant, astro da NBA que também esteve na partida da equipe de Dunga, ninguém menos que Pelé presenciou a derrota brasileira. O presidente da Fifa, Joseph Blatter, e o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jaqcues Rogge, também fizeram questão de comparecer à decisão das meninas.

Mesmo com duas das melhores jogadoras do mundo dentro de campo, a Seleção não conseguiu um resultado positivo. Marta e Cristiane, eleitas pela Fifa a primeira e a terceira jogadora mais completa do mundo, respectivamente, foram as atletas que mais se emocionaram. A camisa 10 chegou a lacrimejar ainda durante a partida.

Ao contrário de 2004, desta vez a seleção dos EUA tinha jogadoras menos experientes. A equipe passou por uma reformulação nos últimos quatro anos até chegar à equipe atual, campeã olimpíca em Pequim.

O jogo

Na primeira etapa as duas equipes não criaram boas chances de gol. Muitos erros nos passes e um primeiro tempo fraco tecnicamente. Algo raro em confrontos entre brasileiras e norte-americanas no futebol.

Já no segundo tempo, a equipe verde e amarela decidiu partir para cima das adversárias. No entanto, as principais estrelas da Seleção, Marta e Cristiane, estavam muito bem marcadas pelas adversárias e não conseguiam trabalhar individualmente.

Os erros de passe continuaram e Marta insistia em tentar resolver sozinha. Mas o domínio era brasileiro e, se não fosse a goleira Hope Solo, a camisa 10 teria marcado um gol de placa. A jogadora dominou dentro da área, se livrou de duas marcadoras e chutou forte, para linda defesa da camisa 1 norte-americana.

Alguns minutos depois foi a vez da goleira Bárbara salvar o Brasil. A bola sobrou para Hucles no meio da área. A jogador chutou forte e rasteiro, mas a arqueira da Seleção caiu bonito para impedir o gol norte-americano.

Já nos acréscimos, os EUA tiveram a chance do jogo. Rodriguez avançou pelo meio e, cara a cara com Bárbara, tentou por cobertura e desperdiçou a última chance em tempo normal. A partida seria decidida na prorrogação.

Assim como terminou os últimos 45 minutos, a Seleção caiu de produção no início da prorrogação e, logo aos 6min, sofreu o baque. Os Estados Unidos abriam o placar. Lloyd recebeu na esquerda, ajeitou e chutou forte no canto esquerdo de Bárbara, sem chances para a arqueira brasileira.

O time do Brasil ficou apático após o gol e não conseguiu reagir, perdendo mais uma vez para os Estados Unidos em uma final olímpica.

Olimpíada no Terra: ao vivo e exclusivo

O Terra transmite ao vivo e com exclusividade a competição em 13 canais simultâneos de vídeo. Além disso, os usuários têm a possibilidade de assistir novamente a todo o conteúdo a qualquer momento. Todo o acesso é gratuito. Na área Fanzone, o usuário pode ser o comentarista, gravar vídeos com sua câmera e compartilhá-los com a audiência do Terra. Envie vídeos, fotos e textos para os atletas e as equipes. Clique e participe.

Siga os Jogos no celular
wap: wap.terra.com.br
Iphone, blackberry e N95: www.terra.com.br/jogosolimpicos

Ficha Técnica

Brasil 0 x 1 EUA

Equipes

Bárbara
Simone Jatobá
(Rosana)
Renata Costa,
Tânia Maranhão
Érika
Maykon
Ester
Formiga
(Francielle)
Daniela Alves
(Fabiana)
Marta
Cristiane

Solo
Mitts
Rampone
Markgraf
Chalupny
Tarpley
(Cheney)
Boxx
O'Reilly
(Kai)
Lloyd
Hucles;
Rodriguez
(Cox)


Técnico:
Jorge Barcellos

Técnico:
Pia Sundhage

Gols

1ºT ------------- -------------
2ºT ------------- -------------
1ºT (P) ------------- 6min - Lloyd

Cartões amarelos

Rosana
Érika

Mitts
Kai

Local

Estádio dos Trabalhadores, em Pequim (China)

Árbitro:

Dagmar Dankova (TCH)


Redação Terra