Pequim
 
Brasil
 

Pequim 2008

Domingo, 24 de agosto de 2008, 13h05 Atualizada às 11h06

Ausência no pódio e doping marcam hipismo em Pequim

Rodrigo Pessoa perde e deixa o Brasil sem medalha no Hipismo pela primeira vez desde Atlanta, em 1996
Rodrigo Pessoa perde e deixa o Brasil sem medalha no Hipismo pela primeira vez desde Atlanta, em 1996
Getty Images

Conquistando medalhas olímpicas desde os Jogos de Atlanta, em 1996, a equipe brasileira de hipismo esperava por mais um bom resultado na Olimpíada de Pequim. Porém, a participação do Brasil nas provas, disputadas em Hong Kong, ficou abaixo das expectativas, sem nenhum ginete no pódio e com um caso de doping de Chupa Chup, cavalo de Bernardo Alves.

Antes mesmo da participação na Olimpíada, os brasileiros sofreram uma baixa importante. O cavaleiro com melhores resultados do País no ano, Alvaro Afonso de Miranda Neto, o Doda, foi cortado dos Jogos devido a uma lesão em sua égua. Com isso, o Brasil foi representado em Pequim por Rodrigo Pessoa, Bernardo Alves, Camila Benedicto e Pedro Veniss.

Pedro Veniss abriu a participação brasileira na competição por equipes do hipismo e dava a impressão que faria um percurso perfeito, porém, no seu último obstáculo, o ginete calculou mal as passadas e seu cavalo, Un Blanc de Blancs, tropeçou nos obstáculos e caiu, eliminando Veniss não só da prova por equipe, mas como no individual.

Bernardo Alves foi o segundo a representar a equipe brasileira e, precisando de um bom desempenho, o ginete parece ter sentido a pressão. Montando Chupa Chup, o cavaleiro cometeu quatro faltas, fazendo 12 pontos, complicando ainda mais as chances de medalha para o Brasil.

Na disputa de sua primeira Olimpíada, Camila Benedicto foi para a apresentação precisando zerar o percurso para que o País disputasse uma vaga na final. A amazona cometeu as mesmas quatro faltas de Bernardo Alves e ainda teve um ponto acrescido por ter excedido o tempo permitido para conclusão da prova.

Já sem chances de se classificar à final por equipes, Rodrigo Pessoa entrou preocupado em não cometer faltas e se classificar para o concurso individual de saltos. O cavaleiro não teve problemas em zerar o percurso e ficar em terceiro lugar na classificação geral.

Com os resultados individuais nas provas por equipe, dois brasileiros ficaram entre os 34 melhores competidores e se classificaram à final dos saltos no individual: o atual campeão olímpico, Rodrigo Pessoa, e Bernardo Alves. Com a eliminação por equipes, o Brasil ficou não repetiu o desempenho de Atlanta e Sydney, onde ficou com o bronze.

Rodrigo Pessoa e o doping de Chupa Chup

Após a participação das equipes, os cavalos tiveram um dia de descanso para as provas no individual. Neste intervalo, houve exame antidoping nos animais e para a surpresa da delegação do Brasil, Chupa Chup, cavalo de Bernardo Alves, foi pego com substâncias dopantes, o que resultou em sua eliminação na disputa do individual. Com isso Camila Benedicto herdou a vaga na final de salto.

O chefe da equipe brasileira de hipismo dos Jogos de Pequim, Marcello Artiaga, defendeu Bernardo Alves e o caso de doping. Segundo ele, o cavaleiro dá massagens "regularmente" no animal com um creme contendo a substância capsaicin, que foi considerada ilegal.

Rodrigo Pessoa, que conquistou o ouro em Atenas com o cavalo Baloubet du Rouet, desta vez tentava o bi-campeonado montando Rufus, que se tornou o cavalo principal do ginete apenas na metade do ano passado, substituindo Oasis, que morreu após sofrer uma ripopneumonia.

Apesar de pouco tempo juntos, Rufus e Pessoa mostraram um bom entrosamento e foram para a prova de saltos individual na terceira posição, mas na primeira passagem deles pelo percurso, cometeram uma única falta, empatando com outros 12 conjuntos.

Depois foi, a vez de Camila Benedicto entrar na pista. Em sua primeira Olimpíada e já disputando uma final, a amazona, montando Bonito Z, surpreendeu e terminou a sua primeira passagem pelo percurso sem cometer falta, garantindo o primeiro lugar.

Classificados entre os 22 que disputariam a medalha, os dois brasileiros tinham chances reais de medalha, e Rodrigo Pessoa abriu a participação do Brasil na última passagem dos conjuntos em Hong Kong. O cavaleiro zerou o percurso e precisava torcer contra os rivais para buscar a medalha no desempate.

Rival de Pessoa na final, Camila Benedicto parece ter sentido a pressão de uma final olímpica. Durante seu último percurso, a amazona cometeu duas faltas e perdeu qualquer chance da disputa pela medalha.

Já Pessoa foi para o desempate pela medalha de bronze com mais sete conjuntos, mas na tomada de tempo não conseguiu ser mais rápido e, com a marca de 37s04, perdeu a terceira colocação para o americano Beezie Madden, que fez 35s25.

Rodrigo Pessoa encerrou sua participação em Pequim com o 10º lugar em equipe e feliz com a quinta posição no individual. Já Camila Benedicto ficou com o décimo lugar por equipe e individual.

Os Jogos Olímpicos no celular
wap:
wap.terra.com.br
Iphone, blackberry e N95: www.terra.com.br/jogosolimpicos


Redação Terra