Pequim
 
Brasil
 

Pequim 2008

Domingo, 24 de agosto de 2008, 11h18 Atualizada às 12h03

Em grupo difícil, Brasil é eliminado por um ponto no handebol

para a França, que depois sagrou-se campeã olímpica
para a França, que depois sagrou-se campeã olímpica
AFP

Direto de Pequim

A Seleção Brasileira masculina de handebol teve vida curta nos Jogos Olímpicos de Pequim. Em um grupo com adversários de alto nível como França e Croácia, a equipe treinada pelo espanhol Jordi Ribera chegou à última rodada com chances de classificação, mas acabou eliminada por apenas um ponto.

O time brasileiro estreou nos Jogos diante da França, bicampeã do mundo e que chegou à medalha de ouro olímpica, ao vencer a Islândia por 28 a 23. Os europeus não deram chances aos adversários sul-americanos. Sem correr grandes riscos, o time do astro Nikola Karabatic abriu boa vantagem desde o início da partida e venceu tranqüilamente, por 34 a 26.

Na segunda rodada do Grupo A, o Brasil enfrentou a Croácia, atual campeã olímpica. Mais uma vez, o time do técnico espanhol Jordi Robera não ofereceu resistência. Em um verdadeiro treino de luxo, a equipe do leste europeu, uma das favoritas ao ouro, venceu por 33 a 14.

Depois de performances abaixo da média nas duas primeiras rodadas dos Jogos, o Brasil evoluiu contra a Polônia. No entanto, a melhora não foi suficiente para se tornar a primeira vitória da Seleção na competição. O resultado de 28 a 25 minou as chances de classificação da equipe nacional.

Para continuar sonhando com a permanência na Olimpíada, o Brasil precisava vencer o próximo compromisso, diante da China. Dito e feito. Em sua primeira vitória nos Jogos, a Seleção passou pelos donos da casa por 29 a 22 e manteve as esperanças de seguir na competição.

A última vaga do Grupo A foi decidida entre Espanha e Brasil. Os dois times precisavam de uma vitória simples para avançar. Em um jogo tenso, em que o espanhol Carlos Prieto e o brasileiro Jardel Pizzinato foram excluídos por tripla advertência, a equipe européia avançou com apertados 36 a 35. Os 71 gols registrados estabeleceram um novo recorde olímpico em uma partida.

Um dos destaques do Brasil na derrota diante do time espanhol, Zeba atribui a eliminação ainda na primeira fase ao alto nível dos adversários do grupo. "Nós jogamos da melhor maneira que podíamos. Seguimos as ordens de nosso treinador e jogamos o melhor que pudemos, mas neste grupo havia rivais muito difíceis para nós", afirmou.

Os Jogos Olímpicos no celular
wap:
wap.terra.com.br
Iphone, blackberry e N95: www.terra.com.br/jogosolimpicos


Redação Terra