Pequim
 
Brasil
 

Pequim 2008

Domingo, 24 de agosto de 2008, 11h58 Atualizada às 12h10

Ouro inédito no futebol se transforma em repetição de bronze

Ronaldinho momentos depois de receber o bronze
Ronaldinho momentos depois de receber o bronze
Getty Images

Direto de Pequim

Em matéria de resultados, a campanha da Seleção Brasileira comandada por Dunga nos Jogos Olímpicos de Pequim teria sido perfeita caso o time tivesse pulado a semifinal contra Argentina. Nos outros cinco jogos, o time de Dunga marcou 14 gols e não sofreu nenhum. Contra os argentinos, os 3 a 0 a favor dos rivais foram suficientes para tirar o Brasil da final.

O grande responsável pelo naufrágio da Seleção - além da apatia brasileira na semifinal - foi o atacante Agüero, do Atlético de Madrid. Para apimentar a rivalidade, o carrasco brasileiro é nada menos que genro do ídolo argentino Diego Maradona, que acompanhou a partida das tribunas do estádio.

Sem brilho, o meia-atacante Ronaldinho esteve distante dos seus melhores momentos como atleta. Sem o arranque que o transformou no melhor jogador do mundo por duas temporadas, ele se contentou apenas em distribuir bolas no meio-campo e arriscar alguns lançamentos. Ao receber a medalha de bronze, teve a mão beijada por Maradona, seu fã confesso.

Fora da última Olimpíada, em Atenas, o futebol pentacampeão do mundo amarga mais uma frustração em Jogos Olímpicos e ficará pelo menos mais quatro anos sonhando com a medalha de ouro. Os melhores resultados foram as pratas em Los Angeles 1984 e Seul 1988 e o bronze em Atlanta 1996, igualado agora. Em Sydney 2000, o time foi eliminado nas quartas-de-final por Camarões.

Com a derrota, o técnico Dunga admitiu que agora a pressão será ainda maior. No entanto, mesmo com o revés por 3 a 0 diante da eterna rival Argentina, o comandante assegurou que o trabalho irá continuar e o treinador seguirá com suas "convicções".

"Com a derrota, aumenta a pressão, o questionamento, mas o importante é ter convicção e dar seqüência ao trabalho. São nesses momentos que vemos a reação de cada um. Viemos de uma vitória na Copa América e agora aconteceu isso. Essa é a vida do esportista. Temos que trabalhar duro. Temos que ter a tranqüilidade e saber reagir", afirmou.

Antes de ir para a Olimpíada, a equipe do treinador fez duas partidas decepcionantes pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010. Depois de uma derrota para o Paraguai e um empate com a Argentina, Dunga foi chamado de "burro" pela torcida no Mineirão lotado.

Para amenizar a situação, pelo menos em um primeiro momento, a CBF decidiu convocar os jogadores para os próximos jogos das eliminatórias ainda em território chinês. O técnico Dunga fez o anúncio dos jogadores para as partidas contre Chile, em Santiago, e Paraguai no Rio de Janeiro, em setembro. Até lá, ele está "prestigiado" pela CBF.

Os Jogos Olímpicos no celular
wap:
wap.terra.com.br
Iphone, blackberry e N95: www.terra.com.br/jogosolimpicos


Redação Terra