Pequim
 
Brasil
 

Pequim 2008

Domingo, 24 de agosto de 2008, 12h57 Atualizada às 16h54

Ferida e sem parceiras, Mariana Ohata sai frustrada de Pequim

pequim triatlo masculino froden linha chegada (gal 286x320)
pequim triatlo masculino froden linha chegada (gal 286x320)
AP

Direto de Pequim

Frustrante, assim se pode resumir a participação da única representante do Brasil no triatlo em Pequim, Mariana Ohata. O desafio da triatleta começou em ir sozinha à Olimpíada sem a companhia de suas parceiras Sandra Soldan e Carla Moreno, depois, já na capital chinesa, a brasileira sofreu um acidente um tanto quanto inusitado, um dia antes da prova, o que prejudicou o seu desempenho nos Jogos, terminando sua participação apenas na 39ª colocação.

Mariana teve apenas participações discretas nas outras duas olimpíadas que disputou, em Sydney 2000, a triatleta caiu da bicleta e não comprelou a prova. Já em Atenas 2004, ela sentiu o forte calor e foi apenas a 37ª colocada, sendo a única brasileira a terminar a prova, Carla e Sandra abandonaram.

Mais experiente para esta edição dos Jogos, a atleta esperava por uma ótima participação em Pequim. Com a sexta colocação nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, em 2007, Mariana embarcou à Olimpíada com planos de terminar entre as dez primeiras colocadas. Mas as coisas não saíram como planejado.

Na noite anterior a competição Mariana Ohata saiu para jantar na Vila Olímpica por volta das 21h30 (horário local) e para se poupar da caminhada, ficando menos desgastada para a prova, a triatleta pegou uma bicicleta para se deslocar até o refeitório. Porém na volta para o seu quarto ela sofreu um acidente inusitado. A atleta colocou acidentalmente o pé na roda travando o aro e provocando um corte na altura do tendão.

Ferida, Mariana foi para a prova com uma bandagem no local do corte e, apesar do incomodo, esperava fazer uma grande prova. Filha de um ex-campeão mundial de natação (Milton Ohata), a triatleta é reconhecida como uma das melhores nadadoras entre as triatletas no mundo, mas em Pequim ela não mostrou todo esse potencial. Ela concluiu o 1,5km da prova em 20min02s, deixando a água na 27ª posição.

Na transição para a bicicleta, a brasileira perdeu mais duas posições, mas se mantinha no grupo intermediário ainda visualisando as líderes. Porém o ferimento ocasionado pelo acidente na noite anterior começou a doer e incomodar Mariana que foi perdendo um pouco do rendimento e acabou os 40km da prova de ciclismo em 1h06min24s, caindo para a 37ª posição.

Muito longe das líderes Mariana tentou uma recuperação na última etapa da prova do triatlo em Pequim, tentando uma posição melhor em relação aos Jogos de Atenas, mas com dores, não conseguiu. Ela terminou os 10 km de corrida em 39min43s, concluindo a competição com o tempo de 2h07min11s, ficando com 39º lugar.

"Hoje (o dia da prova) não foi meu dia. Estava querendo um top ten (ficar entre os 10 primeiros lugares). Acho que tinha condições, mas não aconteceu. O que valeu foi que curti cada momento até chegar aqui. Passei o ano longe do Brasil. Só fiquei lá um mês", disse Mariana, emocionada, minutos após terminar a prova.

Os Jogos Olímpicos no celular
wap:
wap.terra.com.br
Iphone, blackberry e N95: www.terra.com.br/jogosolimpicos


Redação Terra