PUBLICIDADE
Logo do

Santos

Favoritar Time

Dificilmente vou ser tratado com carinho na Vila, diz Grohe

19 set 2014 07h57
| atualizado às 07h59
ver comentários
Publicidade

A vaia constante da torcida gremista deixou o goleiro Aranha indignado com a recepção que teve, na noite desta quinta-feira, ao voltar à Arena depois do episódio de injúria racial sofrido há 21 dias. Entretanto, para o adversário e colega de posição que estava do outro lado do campo, Marcelo Grohe, as vaias foram algo normal como em qualquer partida de futebol disputada fora de casa.

“O Aranha tem a opinião dele. Dificilmente vou jogar na Vila (Belmiro) e vou ser tratado com carinho, né?”, opinou o goleiro tricolor. “O pessoal vai me xingar, me vaiar, assim como toda nossa equipe. Ele está no direito dele, opinião dele, a gente respeita”, rebateu.

Para Grohe, as 29 vaias contra Aranha nos 97 minutos de jogo foram algo que já era esperado de depois do que aconteceu. “É uma coisa normal a torcida pegar no pé dele, tentar desestabilizá-lo, quando a gente joga fora o pessoal pega no meu pé e dos meus companheiros, foi uma coisa normal, do jogo, mesmo os xingamentos são coisas que acontecem em todos os lugares”, disse.

Torcida do Grêmio vaia Aranha em retorno à Arena:

“(O episódio de injúria racial) foi uma grande lição para todos nós. Acredito que, se Deus quiser, não vai mais acontecer, foi uma coisa lamentável, todo mundo aprendeu. Agora, vaiar é do jogo”, completou.

Apesar da reclamação por conta do comportamento da torcida, Aranha foi um dos destaques da partida evitando ao menos dois gols do Grêmio. Grohe também tem se destacado na posição e está há quatro partidas sem levar gols. Sobre seu desempenho, ele compartilha os méritos da boa fase com os companheiros.

“A gente fica triste por não ter conseguido ganhar”, disse Grohe sobre o empate sem gols que parou a sequencia de quatro jogos com vitória do time tricolor gaúcho no Campeonato Brasileiro, “fico feliz de poder ajudar. O mérito não é só do Marcelo”, disse referindo-se a ele mesmo na terceira pessoa, “não só do sistema defensivo, como de toda a equipe”.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade