publicidade
18 de fevereiro de 2014 • 22h32 • atualizado às 22h58

Aos gritos de "vamos, Rafa", Nadal estreia com vitória no Rio Open

Número um do mundo não teve vida fácil diante de Daniel Gimeno, mas contou com o apoio da torcida para avançar às oitavas do ATP 500, no Rio de Janeiro

  • André Naddeo
    Direto do Rio de Janeiro
 

Não foi a estreia dos sonhos, não teve “pneu”, e o período longe das quadras desde a final do Aberto da Austrália pesou inicialmente. Seguro da sua capacidade, porém, Rafael Nadal soube impor, aos poucos, o ritmo de jogo e estreou com vitória no Rio Open 2014 ao bater o também espanhol Daniel Gimeno-Traver por 2 sets a 0 (6/3 e 7/5), na noite desta terça-feira.

Nadal contou com apoio da torcida para vencer compatriota
Foto: Daniel Ramalho / Terra

Apesar do placar aparentemente tranquilo, o atual número um do mundo enfrentou dificuldades diante da ousadia do compatriota (84º no ranking) e chegou a ter o serviço quebrado no segundo set. Com o apoio incessante das arquibancadas do Jockey Club, no Rio de Janeiro, no entanto, Nadal fez valer seu maior leque de opções em quadra para avançar às oitavas de final do ATP 500.

Na fase seguinte do Rio Open, Nadal enfrentará outro compatriota: o espanhol Albert Montañés, que bateu o holandês Robin Haase também nesta noite. Após o triunfo, Nadal agradeceu o carinho do público. "É muito bom estar aqui, estou desfrutando muito e tendo uma conexão importante com meu público", disse aos torcedores. "Obrigado", emendou, em português. Ele agora descansa um dia para, na quinta-feira, buscar uma vaga nas quartas de final. 

Jogo duro

Contando sempre com o apoio da torcida, que vibrou até com os primeiros passos do espanhol rumo ao aquecimento, Nadal teve ritmo ascendente ao longo de todo o primeiro set. Se Gimeno iniciou o confronto de forma agressiva, tentando de todas as formas impedir que Nadal tomasse conta da partida, o número um do mundo soube trocar bolas e cadenciar o ritmo – afinal, eram mais de suas semanas longe das quadras numa partida oficial.

Número um do mundo teve dificuldades durante estreia no Rio
Foto: Daniel Ramalho / Terra

No segundo game, ao tentar um slice rente à rede, Nadal levou o troco de Gimeno na paralela impressionando os que gritavam a todo momento: “vamos, Rafa”. Aos poucos, porém, o líder disparado do ranking da ATP foi impondo o seu estilo.

As dores nas costas que foram o diferencial na derrota para o suíço Stanislas Wawrinka no Aberto da Austrália, nitidamente, desapareceram. E o vigoroso estilo do espanhol foi aparecendo cada vez mais – variando o fundo de quadra e impondo intensa movimentação ao seu compatriota.

No sexto game, enfim, um já mais seguro Nadal não desperdiçou a primeira chance de quebra de serviço que teve e pulou à frente no placar. Quando sacou para fechar o set, já no nono game, uma dupla falta assustou o público. Com gritos de apoio permanente, o número um do mundo se manteve firme para fazer 1 a 0 na partida.

Gimeno veio numa espécie de “tudo ou nada” para o segundo set na tentativa de se manter vivo no Rio Open. A ousadia focada, sobretudo, num forte primeiro serviço teve êxito logo no segundo game: Nadal sentiu o contragolpe e teve o serviço quebrado.

A resposta do número um do mundo, no entanto, foi imediata com duas bolas vencedoras de devolução logo no game seguinte. E numa paralela que poucos executam com primor, Nadal foi até a rede para tirar o compatriota do game e devolver a quebra de saque.

No nono game, Nadal chegou a ter duas chances de quebra, mas Gimeno, valente, as recuperou. Dois games depois, entretanto, Nadal não desperdiçou: logo na primeira chance, devolveu rente à linha e complicou a vida de Gimeno, que devolveu na rede. Com a quebra consumada, foi administrar os pontos seguintes para fechar o set em 7/5 e ouvir os aplausos da quadra central do Rio Open. 

Terra