1 evento ao vivo
ATP

Técnico compara Federer a Sampras: "bons tenistas, melhores pessoas"

5 dez 2012
13h42
atualizado às 13h48

Henrique Moretti

Paul Annacone nega quando questionado pelo Terra se é um homem especial. O americano foi técnico de Pete Sampras e trabalha atualmente com Roger Federer, mas limita a definir a si mesmo como alguém "muito sortudo".

"Para mim é uma oportunidade legal e estou desfrutando muito", diz Annacone, que concede a entrevista falando de forma muito pausada. A calma é a mesma aparentada por ele quando está ao lado da quadra e observa Federer jogar ao lado de Severin Luthi, capitão da Suíça na Copa Davis que também é treinador do tenista.

O entrosamento entre os dois técnicos é "perfeito", segundo o americano: "Severin é ótimo e tem ajudado Roger há muitos anos. Ele certamente me ajudou muito a entender o ambiente e como as coisas funcionam. Nós fazemos as coisas juntos muito bem".

A ligação de Annacone, 49 anos, com Federer é mais recente. O americano foi contratado pelo suíço em agosto de 2010 e neste ano ajudou o atleta a conquistar o 17º Grand Slam da carreira, em Wimbledon, título que o fez voltar à liderança do ranking mundial e quebrar o recorde de semanas como número 1 do mundo (soma 302, contra 286 de Sampras).

O treinador conversou com o Terra no fim de agosto, em Nova York, antes do Aberto dos Estados Unidos. Na ocasião, Federer ainda ocupava a ponta da lista, a qual perderia para o sérvio Novak Djokovic em novembro.

O suíço desembarcou na noite desta terça-feira em São Paulo para a primeira visita ao Brasil, onde enfrenta no Ginásio do Ibirapuera, entre quinta-feira e domingo, o brasileiro Thomaz Bellucci, o francês Jo-Wilfried Tsonga e o alemão Tommy Haas como parte da Federer Gillette Tour, turnê de exibições sul-americana que ainda o levará à Argentina e à Colômbia.

Em agosto passado, Annacone já dizia que não viajaria ao Brasil, por causa das férias. Nascido em Southampton, próximo a Nova York, ele vive em Topanga, na Califórnia, mas passa boa parte do ano viajando ao lado de Federer. Como tenista profissional, o americano jogou entre 1984 e 1993, conquistou três títulos (Brisbane e Los Angeles, em 1985; e Viena, em 1989), e chegou ao 12º lugar do ranking, o melhor da carreira, em março de 1986.

Nas quadras, Annacone era adepto do saque e voleio, estilo agressivo que consagrou Sampras, do qual foi técnico entre 1996 e 2002, ajudando-lhe a conquistar nove de seus 14 Grand Slams. "São muito, muito bons jogadores, mas melhores como pessoa", afirma o técnico, comparando os dois maiores vencedores de Grand Slam em todos os tempos.

Federer, se não saca e sobe para volear o tempo todo, também passou a procurar mais a rede desde o início de trabalho com Annacone. Trata-se de uma boa alternativa para encurtar os pontos e prolongar a carreira do suíço.

"Ele está sensacional, tem 31 anos e está amando o tênis. Seu corpo está muito bem", diz o técnico, evitando projetar uma aposentadoria em breve para o jogador. Nisso ele deve se diferenciar de Sampras, que se retirou das quadras como campeão do Aberto dos EUA, em 2002, menos de um mês após completar 31 anos de idade.

Confira a lista dos maiores vencedores de Grand Slam na história do tênis:

1: Roger Federer (SUI)* - 17 títulos
2: Pete Sampras (EUA) - 14 títulos
3: Roy Emerson (AUS) - 12 títulos
4: Rafael Nadal (ESP)*, Rod Laver (AUS) e Bjorn Borg (SUE) - 11 títulos
7: Bill Tilden (EUA) - 10 títulos
8: Fred Perry (GBR), Ken Rosewall (AUS), Jimmy Connors (EUA), Ivan Lendl (RCH/EUA) e Andre Agassi (EUA) - 8 títulos

*Tenistas ainda em atividade

À esq., Annacone ao lado de Sampras em Queens 1999; à dir., técnico com Federer em Wimbledon 2011
À esq., Annacone ao lado de Sampras em Queens 1999; à dir., técnico com Federer em Wimbledon 2011
Foto: Getty Images
Fonte: Terra
publicidade