4 eventos ao vivo

Nadal repercute casos de doping após vencer ATP de São Paulo

17 fev 2013
21h46
atualizado às 22h10

O tenista espanhol Rafael Nadal, que neste domingo venceu o ATP 250 de São Paulo, afirmou que os casos de doping prejudicam o esporte, e que "por causa de alguns pecadores não devemos estar todos no mesmo saco".

"O torcedor acredita no esporte. Os títulos e os rankings são vistos e não são valorização de ninguém. Casos como o de (Lance) Armstrong e as coisas que estão saindo na Espanha (a Operación Puerto) prejudicam o esporte, mas por causa de alguns pecadores não temos que estar todos no mesmo saco", disse Nadal em declarações ao programa "El Partido de las 12", da emissora espanhola "COPE".

"A única coisa que se precisa hoje é transparência e cooperação máxima entre todos para que o esporte seja o que é: superação, trabalho e luta até o final, mesmo sabendo que você não pode ganhar", acrescentou.

Nadal continuou sua declaração dizendo que estes são os valores do esporte e as armadilhas não estão dentro destes valores. "E a única forma de regulá-lo é que os controles sejam públicos para que todo mundo saiba quando acontecem ou não acontecem esses controles".

Sobre sua vitória em São Paulo 251 dias após seu último título, Nadal assinalou: "Terminar uma semana com uma vitória é uma sensação sempre muito bonita e positiva, e além do mais após um tempo sem poder ter essa sensação".

Sobre seus problemas físicos, o tenista espanhol disse: "O joelho há dias que ainda continua me incomodando, mas hoje me levantei bem e joguei minha melhor partida desde que voltei. O joelho ainda precisa de muita melhora, porque continuo tendo dias ruins. E minhas vitórias me dão motivação e energia".

"Sem estar perfeito, desde que voltei consegui fazer uma final (Viña del Mar, Chile) e quase ganhá-la e fui campeão esta semana. É preciso olhar esta parte e trabalhar para que o joelho fique bom o mais breve possível e, se assim for, já pensaremos em objetivos mais ambiciosos", comentou Nadal.

"Tenho que continuar trabalhando muito para que o joelho melhore. Ainda preciso disso. Vamos pensar positivo para que, pouco a pouco, se antes tínhamos 80% de dias ruins, cada vez mais reduzamos isso para que os dias bons sejam uma tônica e não uma surpresa", declarou Nadal.

Ao fazer um balanço dos sete meses que esteve fora das quadras, Nadal afirmou: "Evidentemente há momentos complicados. Quando você trabalha a cada dia, quando procura soluções a cada dia, e não as encontra, não é agradável".

Sobre seus próximos compromissos, Nadal disse: "O próximo é Acapulco dentro de uma semana. Não sei se depois vou parar. Vamos passo a passo. Vamos terminar o que tínhamos nos proposto, que é jogar em Acapulco, e depois analisaremos para ver se é melhor levar tudo com um pouquinho mais de calma, treinar, preparar a turnê europeia de saibro e não forçar o joelho; ou se tomamos a iniciativa de ir para a americana e começar em Indian Wells".

EFE   
publicidade