0

Confira vai e vem de medalhistas olímpicos no mercado do vôlei

28 set 2012
15h34
atualizado em 22/10/2012 às 19h37

Após o bicampeonato olímpico, conquistado nos Jogos de Londres, as jogadoras da Seleção Brasileira Feminina de vôlei, comandadas por José Roberto Guimarães, se preparam para a disputa da Superliga 2012/2013, que tem início marcado para o fim de novembro.

Como de costume, o mercado aquecido da modalidade contou com renovações, mudanças de time e até mesmo migração para o exterior. Das 12 campeãs na capital britânica, apenas a ponteira Paula Pequeno não atua mais no Brasil. Ao lado de Mari - cortada da Olimpíada -, a jogadora, titular do Vôlei Futuro e semifinalista da Superliga 2011/2012, acertou com o Fenerbahce, da Turquia.

A equipe do Sollys/Osasco é o líder de campeãs olímpicas na temporada: são cinco no total. Primeiro colocado na última Superliga, o time renovou com as centrais Adenízia e Thaísa, além da ponteira Jaqueline. Como reforços, contratou a oposta Sheilla, ex-Unilever, que chega para substituir a americana Destinee Hooker; e a ponteira Fernanda Garay, que atuava no Vôlei Futuro e foi eleita e melhor recepção dos Jogos de Londres.

Na sequência aparece o Sesi/SP, que renovou com a levantadora Dani Lins e trouxe a central Fabiana, que teve uma passagem discreta pelo Fenerbahce, da Turquia, na última temporada. Campeã brasileira com o Sollys/Osasco, a ponteira Tandara é o outro reforço da equipe paulista.

Já a maior campeã da Superliga, Unilever/Rio de Janeiro, comandada pelo técnico Bernadinho, renovou com a líbero Fabi e com a ponteira Natália. Como não atuou pela equipe na temporada passada, por conta de duas cirurgias para retirar um tumor benigno da canela, a atacante aguarda ansiosamente para sua estreia com a camisa da Unilever.

Fechando o time de campeãs olímpicas, Fernandinha, que jogava no Igtisadchi, do Azerbeijão, foi a escolhida de José Roberto Guimarães para ser a levantadora da mais nova equipe do vôlei brasileiro: o Amil/Campinas. A equipe também conta com a campeã dos Jogos de Pequim 2008, Walewska, e a cubana Ramirez, bronze em Atenas 2004.

Homens dividem preferência

Se entre as mulheres apenas uma campeã olímpica optou pelo vôlei estrangeiro, os vice-campeões em Londres com a Seleção Masculina, comandada pelo técnico Bernadinho, dividiram a preferência entre a modalidade no Brasil e fora dele.

O ponteiro Giba, que defendia o Cimed/Florianópolis e já teve passagens pela Itália e Rússia, resolveu jogar no Drean Bolívar, da Argentina; com uma proposta irrecusável, Leandro Vissoto trocou o Cuneo, da Itália, pelo Ural Ufa, da Rússia; e Rodrigão, que pretendia migrar para o vôlei de praia, deixou o Sesi/SP para jogar no Al-Rayyan/Catar, e irá disputar o Mundial de Clubes 2012.

Na liderança dos medalhistas de prata do ciclo olímpico 2008/2012, está a equipe do RJX, que renovou os contratos de Dante e Lucão, trouxe Thiago Alves, que atuava no Panasonic Phanters, do Japão, e o levantador Bruninho, do Cimed/Florianópolis.

Campeão nacional na temporada 2010/2011, o Sesi/SP, comandando pelo bicampeão olímpico Giovane Gávio, renovou com três de seus principais jogadores: Sidão, Murilo e Serginho. O time optou, também, por contratar o central Éder e oposto Lorena ao invés de investir em outros medalhistas olímpicos.

Por fim, o Vôlei Futuro, que dispensou alguns dos principais jogadores da temporada passada, renovou com o levantador Ricardinho, enquanto o Sada/Cruzeiro optou por continuar com a revelação brasileira na saída de rede: Wallace.

Com cinco campeãs olímpicas, Sollys/Osasco é o principal favorito ao título da Superliga 2012/2013
Com cinco campeãs olímpicas, Sollys/Osasco é o principal favorito ao título da Superliga 2012/2013
Foto: Bruno Santos / Terra
Fonte: Terra
publicidade