2 eventos ao vivo

Unilever e Sollys decidem Superliga na despedida de F. Venturini

13 abr 2012
19h38
atualizado às 19h40
Cirilo Junior
Direto do Rio de Janeiro

Parece que desta vez vai mesmo. Pelo menos é o que ela garante. A levantadora Fernanda Venturini, 41 anos, se despede mais uma vez das quadras neste sábado, e divide os holofotes com a final da Superliga feminina de vôlei entre Sollys/Osasco e Unilever/Rio. A partida será disputada no ginásio do Maracanãzinho, no Rio, às 10 horas.

» Vote na mais bela jogadora da Superliga feminina

A experiente levantadora, considerada por muitos como a melhor que o Brasil já teve, entra em quadra pela última vez na carreira em busca da 13ª conquista no plano nacional. Venturini, que tem em seu currículo participações em quatro Olimpíadas, já tinha encerrado a carreira em outras três oportunidades. Voltou na última temporada, após três anos afastada, para integrar a equipe da Unilever, dirigida por seu marido, o técnico Bernardinho.

"Valeu a pena ter voltado, com uma equipe na qual já tinha trabalhado, com um grupo de pessoas sensacional. Foi muito bom ver minha filha pequena na arquibancada curtindo, ver que a mãe dela jogou vôlei um dia", afirma a jogadora, mãe de Júlia, 10 anos, e Vitória, dois anos.

Fernanda Venturini retornou ao vôlei depois que a levantadora da Seleção Dani Lin, deixou a Unilever, e a equipe não conseguiu uma substituta à altura no mercado. A negociação para a volta, obviamente, começou em casa, com o pedido feito por Bernardinho. O marido de Fernanda diz que a considera a melhor levantadora brasileira de todos os tempos.

"As duas maiores levantadoras do vôlei brasileiro foram a Fernanda e a Fofão. A Fernanda, embora não tenha o título olímpico, está num patamar acima, pela quantidade de títulos e pelo que ela fez. Ela inspirou muito, o que não falta hoje é levantadora jogando com o número 14. Ela certamente foi referência para muitas jogadoras. Ela queria que as filhas a vissem jogando, e isso contribuiu para a volta. É o momento certo para ela parar", opina Bernardinho.

A levantadora não descarta seguir trabalhando no meio do vôlei, mas refuta imediatamente a ideia de ser treinadora. "Técnica tenho certeza que nunca vou ser. Gerenciando, organizando, até posso ser uma supervisora. É uma coisa que não vou descartar, mas é algo que não tenho vontade. Vamos ver o que a vida vai me reservar daqui para frente."

Do outro lado da quadra estará uma admiradora de Fernanda que também usa a camisa 14. Levantadora do Sollys/Osasco, Fabíola tem o melhor aproveitamento entre as jogadoras na posição nesta Superliga, e vem sendo convocada para a Seleção Brasileira. Titular pela primeira vez numa final de Superliga, ela não esconde a inspiração que Fernanda Venturini teve para que jogasse o esporte.

"Ela é uma referência para qualquer levantadora do Brasil", define.

A despedida de Fernanda Venturini terá como cenário a maior rivalidade desenvolvida no vôlei feminino nos últimos anos. Entre diferentes patrocinadores, Rio e Osasco vêm protagonizando embates emocionantes nos últimos anos. Para se ter uma ideia, será a oitava final consecutiva de Superliga disputada pelas equipes. Nas sete decisões anteriores, ampla vantagem para o lado carioca: 5 a 2.

Nos últimos nove confrontos, leve vantagem para o Sollys/Osasco: 5 a 4. O último jogo, pelo segundo turno da Superliga, no mesmo Maracanãzinho que será palco da final, foi vencido pela equipe paulista por 3 sets a 1. Antes, no primeiro turno, triunfo da Unilever na casa do adversário pelas mesmas parciais.

Em quadra, estarão seis jogadoras campeãs olímpicas: Jaqueline e Thaísa, pelo Sollys/Osasco; e Mari, Sheilla, Valeskinha e Fabi pelo Unilever/Rio.

E público não faltará para grande clássico do vôlei feminino. Todos os 11.800 ingressos estão esgotados, e apesar de teoricamente cada torcida ter metade da carga, a equipe carioca deverá contar com maior apoio das arquibancadas.

"O vôlei vive um momento mágico. Lembro que nas semifinais o Maracanãzinho ficou lotado, enquanto Flamengo x Vasco teve 10 mil pessoas", lembra o técnico do Sollys/Osasco, Luizomar Moura.

Fernanda Venturini fará a última partida da carreira profissional
Fernanda Venturini fará a última partida da carreira profissional
Foto: João Pires/Vipcomm / Divulgação
Fonte: Terra
publicidade