publicidade
07 de abril de 2013 • 12h34 • atualizado em 04 de Dezembro de 2013 às 09h18

Unilever faz virada histórica sobre Sollys e é octa da Superliga

  • Danilo Vital
    Direto de São Paulo
 

Na base da superação, o Unilever foi de dominado a dominador neste domingo até alcançar o auge. Jogando no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, o time do Rio de Janeiro ficou com 2 a 0 atrás no placar contra o Sollys Nestlé, mas se recuperou e venceu três sets seguidos para conquistar seu oitavo título da Superliga feminina de vôlei, restabelecendo o domínio sobre seu arquirrival com parciais de 22/25, 19/25, 25/20, 25/15 e 15/9.

Ao som de 'Lelek lek lek', cariocas festejam octacampeonatoClique no link para iniciar o vídeo
Ao som de "Lelek lek lek", cariocas festejam octacampeonato

Foi a sexta vez que o Unilever venceu o Sollys Nestlé na final da Superliga feminina –as equipes decidiram a competição as últimas nove edições. Além de aumentar a vantagem no confronto direto, a equipe comandada por Bernardinho impediu que o rival de Osasco conseguisse seu primeiro bicampeonato nessa série – o Unilever, por sua vez, já chegou a ser campeão quatro vezes seguidas.

Em quadra, a equipe esteve apagada e dominada nos dois primeiros sets, previsível e incapaz de vencer a forte defesa paulista. A partir da terceira parcial começou a reação: a canadense Sarah Pavan começou a se destacar, com Gabi e Natália ajudando na reação e a levantadora Fofão mais inspirada, incendiando o ginásio do Ibirapuera, que teve ingressos esgotados e animação ao estilo das grandes finais de esportes americanos.

O jogo

Nos dois primeiros sets o domínio do Sollys foi evidente. Na primeira parcial, a equipe chegou a abrir cinco pontos de vantagem, mas em um momento raro de descontrole deixou o Unilever empatar com 16 a 16. Após se reestabelecer, fechou o set sem problemas cravando 25 a 22. O segundo set foi semelhante, com a linha de bloqueio do Sollys lendo bem o ataque do Unilever, que cometia muitos erros. Fabíola mostrou mais variações de jogada do que a defesa adversária conseguiu acompanhar, o que fez com a vitória fosse um pouco mais fácil: 25 a 19.

Time de Bernardinho protagonizou reação espetacular para virar a final Foto: Marcelo Pereira / Terra
Time de Bernardinho protagonizou reação espetacular para virar a final
Foto: Marcelo Pereira / Terra

Foi só no terceiro set que o Unilever finalmente deslanchou, chegando a 15 a 11 principalmente nos ataques de Gabi e Natália, até então sem destaque na partida. Em um bloqueio de Valeskinha, o time fechou a parcial com 25 a 20.

No quarto set, o cenário ficou ainda melhor para a equipe carioca: se antes era problema apostar apenas em Sarah Pavan, a canadense decidiu. O Unilever abriu 10 pontos de vantagem e fez 25 a 15 com tranquilidade, deixando a partir totalmente aberta e emocionante.

No tie-break, o Sollys não conseguiu se estabelecer. Nas cortadas de Sarah Pavan e Natália ou nas defesas de Fabi, o Unilever conseguiu fechar a partida para um surpreendente título, o oitavo de sua história. O Sollys contribuiu com erros de saque. Ao final da partida, Fabi correu para a torcida, a comissão técnica jogou papeis para o alto e Bernardinho pôde comemorar mais um título.

Terra