1 evento ao vivo

Técnico do Montes Claros nega inspiração na Cimed

29 abr 2010
18h02
atualizado às 19h10

Criado em maio do ano passado, o time do Montes Claros/Bonsucesso completa seu primeiro ano de vida com uma vaga na final da Superliga masculina de vôlei. História semelhante aconteceu há quatro anos, quando a Cimed, adversário dos mineiros na decisão, também chegou à final em sua temporada estreia.

Lorena virou astro em Montes Claros
Lorena virou astro em Montes Claros
Foto: Ricardo Matsukawa / Terra

Mas o treinador do Montes Claros, Talmo de Oliveira, nega a inspiração no time catarinense. "Eles têm a história deles e nós estamos construindo a nossa", comentou o técnico. Na temporada 2005/2006, a Cimed encarou o tracional Minas na decisão e saiu vitoriosa. "O caminho deles é de sucesso, mas queremos o nosso espaço", destacou o ex-jogador.

Um espaço que já está consolidado, ao menos na cidade de 336 mil habitantes no norte de Minas Gerais. "Quando chegamos nos lugares, todo mundo para e pede autógrafo. Acho que hoje não tem uma cidade no Brasil onde o pessoal é tão mobilizado em prol do vôlei", destacou Talmo.

Não por acaso, Montes Claros possui a melhor média de público da Superliga, e o Ginásio Tancredo Neves tem a capacidade de 12 mil lugares frequentemente esgotada. Estrela da equipe, o oposto Lorena virou uma celebridade local. "Recebemos tratamento de herói em Montes Claros. Saímos na rua e sempre somos reconhecidos", conta o jogador.

Os atletas querem retribuir tanto carinho com a taça no próximo sábado. "Não chegamos aqui por acaso. Essa Superliga estava bem equilibrada, mas nossa equipe mostrou que estava em condições e mereceu. Trabalhamos para ser campeões e não achamos que está de bom tamanho fazer a final. Temos que fechar o trabalho com chave de ouro", avisa Lorena.

Talmo, por sua vez, descarta o rótulo de zebra ante um adversário que faz sua quinta final consecutiva e já possui três títulos nacionais no currículo. "Desde o começo a gente treinava para chegar à final. Na quadra é tudo igual, são seis contra seis", observou o levantador reserva da campanha do ouro olímpico em Barcelona 1992. "Mantivemos uma regularidade nesta Superliga e sempre jogamos de igual para igual contra todos os adversários", emendou.

Treino forte - A empolgação de Montes Claros é tanta que nem em treino os jogadores economizam na raça e nas cobranças. Nesta quinta-feira, após o aquecimento em uma partida de futebol improvisada na quadra do ginásio do Ibirapuera, os jogadores do time mineiro constantemente discutiram as jogadas, certas ou não.

O ponteiro Diogo, inclusive, chegou a ser jogar nas placas de publicidade para tentar salvar uma bola. "Isso é parte do treino. A partir do momento em que você se solta, significa que o adversário já está na sua frente. Não podemos deixar o negócio desmoronar. Voleibol é muito detalhe e, se você entra um pouco desatento, acaba sofrendo", justificou o central Acácio.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
publicidade