PUBLICIDADE
Logo do

Seleção Brasileira

Favoritar Time

Vila Madalena se consolida como "Fan Fest alternativa" em SP

Festa no bairro boêmio de São Paulo arregimentou uma multidão que saiu frustrada, nesta terça, diante do magro Brasil 0 x 0 México

18 jun 2014 07h18
| atualizado em 4/12/2014 às 11h00
ver comentários
Publicidade
<p>Nesta terça-feira, torcedores se reuniram na Vila Madalena para acompanhar o jogo entre Brasil e México</p>
Nesta terça-feira, torcedores se reuniram na Vila Madalena para acompanhar o jogo entre Brasil e México
Foto: Bruno Santos / Terra

Tradicional reduto boêmio e um dos principais palcos do Carnaval de rua paulistano, a Vila Madalena, zona oeste da capital paulista, se consolidou como uma espécie de Fan Fest alternativa em dias de jogos da Copa do Mundo.

Quer acompanhar as notícias e jogos da sua seleção? Baixe nosso app. #TerraFutebol

Organizada pela Fifa, a Fan Fest acontece em lugares geralmente turísticos das 12 cidades que abrigam o Mundial. Em São Paulo, o evento é realizado no Vale do Anhangabaú, no centro da cidade, com torcidas de diferentes seleções – muitos, turistas.

Na Vila Madalena, durante a partida entre Brasil e México, uma multidão voltou a tomar conta das ruas do bairro depois da abertura contra a Croácia, quinta passada, em São Paulo. Formado quase que majoritariamente por brasileiros, o público se reuniu para celebrar uma eventual vitória, mas acabou frustrado com o empate por 0 a 0 diante dos mexicanos.

"Não tenho mais o que comemorar", reclamou o consultor Jefferson Santana, 32 anos, morador da Vila Madalena. "Um time que quer ser campeão não pode empatar por 0 a 0", afirmou.

<p>Bruna e Heloísa se divertem com amigas</p>
Bruna e Heloísa se divertem com amigas
Foto: Bruno Santos / Terra
Torcedores elogiam segurança

Moradoras do Ipiranga (zona sul), as estudantes Bruna Cortez e Heloisa Correa, ambas de 17 anos, foram à Vila Madalena por considerarem o local “tradicional, sem regras, mais livre” que a Fan Fest da Fifa. “E meus amigos vêm aqui, não no centro”, disse Bruna. “Só não conseguimos achar um lugar para ver direito o jogo, mas aqui ainda é mais seguro”, completou Heloisa.

Do bairro de Higienópolis, na região central de São Paulo, as amigas Fernanda Marcusso, 30 anos, e Kivea Vieira, 28 anos, ambas estudantes, afirmaram que “segurança” também foi o que as levou o bairro, e não para o Anhangabaú.

“Não é menosprezo, mas aqui nos sentimos mais seguras, com menos riscos de roubos, e é um pessoal mais da nossa idade”, explicou Kivea. “Com certeza virou uma Fan Fest alternativa”, emendou Fernanda.

Kivea e Fernanda na Vila Madalena
Kivea e Fernanda na Vila Madalena
Foto: Bruno Santos / Terra

A estudante Helena Novelli, 18 anos, se disse “impressionada” com a segurança. "O pessoal da faculdade, da PUC, estava com receio de vir pra cá por conta de boatos de que haveria ataque do PCC [Primeiro Comando da Capital]. Eu me sinto segura. Tem muito policial aqui, e os caras estão trabalhando bem", concluiu.

O analista de sistemas Vitor Ramos Xavier, 23 anos, lamentou as falhas técnicas no telão disponibilizado no bairro por uma marca de bebidas e, já participante de uma Fan Fest no Anhangabaú, afirmou preferir a festa na Vila.

“Na Fan Fest, não achei o esquema de segurança tão bom, mal revistavam quem estava lá dentro. Aqui tem policiais”, disse Xavier.

Moradoras de Assis e Tupi Paulista, no interior de São Paulo, as estudantes Lauriany Silva, 23 anos, Renata Bastos, 24, e Bruna Camargo, 23, contaram que estão em São Paulo desde a abertura da Copa, hospedadas em um hostel na Vila Madalena, onde ficarão até o fim do Mundial. "Estamos adorando a festa. Mas também estamos aproveitando para conhecer a cidade e fazer programas culturais. Já fomos ao Ibirapuera, à Pinacoteca", disse Bruna.

Tenente do Exército vê o jogo no carro

Os torcedores se dividiam entre aqueles que queriam festejar e aqueles que estavam ali para assistir ao jogo. Incomodado com o excesso de gente e o empurra-empurra em alguns trechos, como nos cruzamentos da rua Mourato Coelho com as ruas Aspicuelta e Wisard, o tenente do Exército Renan Diekmann, 26, preferiu ver a partida de dentro de seu carro, em uma TV acoplada ao painel. "Perto dos telões está muito cheio, não tem condições. O clima está legal, mas a coisa está desorganizada", disse. A rua Mourato Coelho, uma das preferidas pelos torcedores, foi interditada pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) já a partir do cruzamento com a rua Inácio Pereira da Rocha – e, à medida que a rua Aspicuelta ficava mais próxima, a multidão ficava mais densa.

Estrangeiros destacam protestos no Brasil

O casal de engenheiros Yana Ostrizhnaya, 31 anos, da Rússia, e Arturo Wociocki, 32, da Polônia, que está há duas semanas no Brasil e foram à Vila Madalena assistir ao jogo, se disse “dividido” com o clima de celebração, por conta dos protestos contra a realização da Copa no País.

“Nós concordamos com os protestos contra a Copa. Acho que todo esse dinheiro poderia ter sido investido em algo que melhorasse a qualidade de vida da população, em educação, por exemplo”, disse Yana. “Eu gosto da festa, mas também acho que isso é coisa para gente mais jovem, como os que estão aqui.”

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade