0

Após decepção na Copa, seleção fecha 2018 com novos jogadores e defesa sólida

Equipe visa título na Copa América 2019, que será disputada no Brasil, antes de pensar na Copa de 2022

21 nov 2018
14h14
atualizado às 14h14
  • separator
  • comentários

Os números da seleção brasileira em 2018 foram excepcionais. Em 15 partidas, o time comandado pelo técnico Tite conquistou 13 vitórias e um empate e sofreu apenas uma derrota. Mas todos sabem que ficou um gosto amargo pela eliminação nas quartas de final da Copa do Mundo. Foi justamente na Rússia que o Brasil ficou no 1 a 1 contra a Suíça, na estreia, e perdeu por 2 a 1 para Bélgica. De resto, só triunfos, sendo a grande maioria em amistosos.

Depois da Copa, a seleção só venceu e não tomou um gol sequer nos seis amistosos que realizou na Europa e no Oriente Médio. Já de olho na disputa da Copa América de 2019, que será no Brasil, Tite aproveitou para observar atletas e dar oportunidade a quem já vinha no radar. Jogadores como os atacantes Richarlison, Malcom e Éverton; os meio-campistas Allan, Andreas Pereira e Lucas Paquetá; e os defensores Pablo e Eder Militão tiveram as suas primeiras convocações. Até três goleiros da equipe sub-20 - Hugo, Phelippe e Brazão - foram chamados.

"O que eu posso dizer é que, primeira coisa, foi marcante porque pude dar oportunidades aos atletas que estão surgindo bem ou na Europa ou no Brasil. Isso trouxe um benefício muito grande para compor e manter a estrutura básica da equipe", disse o treinador brasileiro logo após a vitória de terça-feira sobre Camarões, em Milton Keynes, na Inglaterra.

Mesmo com muitas novidades nas convocações, o padrão tático da seleção se manteve e foi fundamental para a equipe bater um recorde. Desde a eliminação na Copa do Mundo, o time não tomou um gol sequer em seis partidas. No ano, foram só três sofridos - justamente contra Suíça e Bélgica. No gol, Alisson e Éderson se revezaram. Na dupla de zaga, Marquinhos, Miranda, Thiago Silva, Dedé, Pablo, Eder Militão e Felipe foram utilizados.

Já o ataque teve um bom desempenho e balançou as redes adversárias 29 vezes, sendo que o maior artilheiro foi o atacante Neymar, com seis. "Fechamos o ano contentes pelo trabalho feito aqui, esses últimos jogos foram importantes para nos recuperarmos do maior baque que foi a Copa. Seguimos fortes, concentrados e visando ser cada vez melhores. Parabéns, rapaziada, por tudo", afirmou Neymar.

Em 2019, a próxima data Fifa está marcada para março. Serão dois amistosos, que ainda não foram anunciados pela CBF. Eles serão os últimos de preparação para a Copa América, que será de 14 de junho a 7 de julho - o sorteio dos grupos, no Rio de Janeiro, acontecerá em 24 de janeiro. No segundo semestre começarão as Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2022, no Catar.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade