0

Santos torce por nova venda de Neymar e admite que pode negociar jogadores

Clube busca recursos para bancar suas contas e também se reforçar para a sequência da temporada 2019

8 mai 2019
09h47
atualizado às 09h47
  • separator
  • comentários

Neymar deixou o Santos em 2013, negociado com o Barcelona, mas o clube espera lucrar com o atacante nas próximas semanas. Em busca de novos recursos para bancar suas contas e também se reforçar para a sequência da temporada 2019, a diretoria torce para que o atacante volte a ser envolvido em uma transferência milionária.

O presidente José Carlos Peres revelou, inclusive, que teve uma conversa recente com jornalistas espanhóis. E apontou que a expectativa deles é para que o Real Madrid, após uma temporada decepcionante, contrate o atacante brasileiro, hoje no Paris Saint-Germain.

"A questão do Neymar, por exemplo: hoje eu dei uma entrevista para o jornal Marca, espanhol, e eles me disseram que a possibilidade de o Neymar ser negociado com o Real Madrid é grande. Temos nessa negociação 4% como clube formador. Seria um bom negócio para o clube também. Todo dinheiro é bem-vindo", disse o dirigente em entrevista ao SporTV.

Embora na torcida para que Neymar seja vendido, Peres admitiu que o Santos também poderá ser forçado a negociar algum jogador na próxima janela de transferências, até para bancar a chegada de reforços. Em períodos de negociações recentes, o zagueiro Lucas Veríssimo despertou o interesse de diferentes clubes europeus, como o italiano Torino, mas acabou permanecendo na Vila Belmiro. "Temos a previsão de vender um ou dois jogadores também, fazer dinheiro, para qualificarmos mais o elenco", afirmou.

Peres reiterou, porém, o desejo de qualificar o elenco santista. O dirigente voltou a comentar a dificuldade em contratar um camisa 9, principal carência do elenco dirigido por Jorge Sampaoli, mas prometeu não desistir. O time já tentou se reforçar, sem êxito, com Ricardo Oliveira, hoje no Atlético Mineiro, e Raniel, que está no Cruzeiro.

"A ideia é trazer um centroavante, temos trabalhado bastante. Acontece que um camisa 9 é uma joia rara no futebol brasileiro, é difícil encontrar. Mesmo no mercado sul-americano está cada vez mais escasso ter um jogador que faça gols e que atenda o esquema do Sampaoli", disse.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade