0

Seleção brasileira sub-20 luta contra novo fracasso no continente

Lanterna do Sul-Americano, time corre o risco de, pela terceira vez nas últimas quatro edições, perder vaga no Mundial

7 fev 2019
04h42
atualizado às 04h42
  • separator
  • comentários

Rei do continente no futebol sub-20 e maior vencedor do Campeonato Sul-Americano da categoria, com 11 taças, o Brasil passou a colecionar vexames no torneio. No Chile, onde está sendo disputada a 29.ª edição, é lanterna do hexagonal final e corre sério risco de não se classificar para o Mundial - só os quatro melhores garantirão vaga. Tem mais dois jogos para evitar a tragédia: contra Equador, nesta quinta-feira, às 20h50 (de Brasília), e Argentina, no próximo domingo.

Se falhar, será a terceira vez nas últimas quatro edições que a seleção brasileira não conseguirá lugar na Copa do Mundo de juniores, cenário surreal para um país que, em 28 edições do Sul-Americano, só não foi campeão ou vice em dez oportunidades.

Os tempos, porém, são outros. Desde 2011, quando o time de Neymar e Lucas Moura deu show no torneio sediado no Peru, o Brasil empacou na categoria, enquanto o sub-17, por outro lado, continua sobrando no continente - é o atual bicampeão e ganhou seis das últimas sete edições. Ou seja, é no último passo antes da seleção profissional que está falhando.

Mas qual seria, então, o problema? Na opinião de quem treinou a última equipe vitoriosa, há vários. "A gente sente que nos últimos anos a base teve muitos comandos, muitas trocas", diz Ney Franco, campeão sul-americano e mundial sub-20 em 2011. Desde que deixou o posto, no ano seguinte, para comandar o São Paulo, quatro nomes já assumiram a seleção: Emerson Ávila, Alexandre Gallo, Rogério Micale, além de Carlos Amadeu, o atual treinador.

Ney Franco também vê evolução nos rivais. "Há 20, 25 anos, alguns países não tinham cultura nenhuma no futebol. Na Venezuela, era o quarto, quinto esporte", diz. Os venezuelanos, atuais vice-campeões mundiais, ocupam a quarta posição no Sul-Americano, com quatro pontos, a dois de Argentina e Equador, e três atrás do Uruguai. Colômbia e Brasil têm um.

Gerações talentosas do Brasil vêm decepcionando no Sul-Americano

Mesmo que não tenha surgido um novo Neymar, gerações talentosas têm fracassado. Em 2017, por exemplo, o time que ficou em quinto no Sul-Americano contava com Richarlison, que vem sendo convocado por Tite, e Lucas Paquetá, vendido ao Milan nesta janela por € 35 milhões (R$ 146,6 milhões). Em 2015, quando se classificou ao Mundial com a última vaga, o Brasil tinha Gabigol e Malcom (hoje no Barcelona).

Na atual disputa, as ausências de Vinicius Junior e Paulinho, vetados, respectivamente, por Real Madrid e Bayer Leverkusen (o torneio não é em data Fifa, logo, os clubes não são obrigados a liberá-los), são significativas, mas não explicam tudo. A Argentina também teve gente importante barrada (Garré, do City), assim como Colômbia ("Cucho" Hernánez, do Huesca-ESP) e Equador (Stiven Plaza, do Valladolid-ESP).

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade