PUBLICIDADE

Confira raio-x entre diferenças de Mano e Adilson Batista

11 out 2010
11h44 atualizado às 11h50
11h44 atualizado às 11h50
Publicidade
Dassler Marques

No Corinthians, Mano Menezes defendia um time organizado, em que todos participavam da posse de bola e da marcação, enquanto a defesa raramente era apanhada desprevenida. Adilson Batista assumiu a equipe líder do Campeonato Brasileiro, anunciou que não faria grandes mudanças, mas é certo que as fez: aumentou a velocidade, o poder ofensivo, mas também tornou o time muito mais inseguro. Caiu após a sétima derrota em 17 jogos.

Para deixar mais claras as diferenças entre os dois treinadores que passaram pelo Corinthians neste Campeonato Brasileiro, o Terra traça um raio-x com os números da equipe. Adilson tornou o time mais insinuante, mas viu o desempenho defensivo naufragar e, principalmente, derrubou o aproveitamento: com Mano, era de 72,7%. Com ele, chegou a 49,01%.

Interessante notar como o Corinthians de Adilson tem repertório ofensivo maior: passa mais, tem mais posse de bola, dribla e finaliza mais. A média de gols em relação aos tempos de Mano Menezes, porém, não cresce.

Raio-x completo: as diferenças entre os times de Mano e Adílson

Média de desarmes - praticamente igual
Mano - 27,3
Adilson - 27,2

Média de cartões amarelos - praticamente igual
Mano - 2,9
Adilson - 2,8

Média de dribles - aumentou
Mano - 10,35
Adilson - 14,5

Média de faltas cometidas - aumentou
Mano - 15,9
Adilson - 17

Média de finalizações - aumentou
Mano - 14,52
Adilson - 15,69

Média de finalizações sofridas - diminuiu
Mano - 11
Adilson - 9,29

Média de passes - aumentou
Mano - 311,2
Adilson - 399,64

Média de posse de bola - aumentou
Mano - 14,05
Adilson - 15,50

Média de gols pró - praticamente igual
Mano - 1,80
Adilson - 1,88

Média de gols contra - aumentou
Mano - 1,09
Adilson - 1,41

Aproveitamento de pontos - caiu
Mano - 72,7%
Adilson - 49,01

Ponto forte nos tempos de Mano, defesa se tornou vulnerável com Adílson
Ponto forte nos tempos de Mano, defesa se tornou vulnerável com Adílson
Foto: Ivan Pacheco / Terra
Fonte: Redação Terra
Publicidade