PUBLICIDADE

Felipão diz que treinaria qualquer clube, até Corinthians e Inter

5 ago 2011
15h40 atualizado às 17h19
15h40 atualizado às 17h19
Publicidade

Luiz Felipe Scolari tem contrato até o fim de 2012 com o Palmeiras e uma renovação no futuro pode sair. Mas na véspera de encarar o Grêmio, seu clube de coração, ele respondeu sobre uma possível volta ao Rio Grande do Sul um dia. Porém, na resposta, o técnico não só deixou as portas abertas para uma possível volta ao time gaúcho, como também não negou uma possível ida ao maior rival do Palmeiras.

"Não tenho uma ideia de treinar o Grêmio hoje. Só penso no Palmeiras, e pronto. Mas não posso dizer que não vou treinar esse ou aquele. Não penso nisso. Acho um pouco difícil, tenho contrato até 2012 e depois vou pensar, podemos permanecer por São Paulo, não sei. Voltar ao meu estado sempre é algo que poderia pensar, não sei", afirmou, antes de ser questionado sobre o arquirrival.

"Não tem nenhum time que eu não treinaria. Se pagar bem, eu treino. O Corinthians é um grande time. Por que eu não treinaria? A rivalidade é do torcedor, e não minha. Tenho ambiente muito bom também no Corinthians. Treinaria São Paulo, Taubaté, Juventus, Ituano do Juninho... Só o Chelsea está difícil", brincou o técnico, que deixou o clube inglês em 2009.

Scolari, que venceu o Grêmio no Olímpico no último Campeonato Brasileiro, falou mais sobre o reecontro.

"Não tem nada de diferente. Apenas que, como sempre falei e nunca escondi, como grande torcedor do Grêmio, é pior enfrentar o Grêmio do que o Inter. Eu torço pelo Grêmio, mas tenho de ganhar do Grêmio, mostrar que não tem nada a ver. O Inter é oponente, não tenho de mostrar nada", comentou, feliz por reecontrar o amigo Celso Roth.

"O Roth é um amigo, temos mantido uma boa amizade. Eu conheço o trabalho dele, ele conhece o meu. O importante de amanhã (sábado) é poder dar um abraço no Celso", destacou.

Na entrevista desta sexta, ele ainda comentou que recusou um convite do Inter, em 2010, por causa do projeto da Libertadores, naquele momento. Ele alegou que o clube gaúcho, a quatro jogos do título, estava engajado nisso e qualquer fracasso o relacionaria com o Grêmio.

"Trabalharia no Inter. Não teria problema algum. Mas quando fui convidado, no ano passado, era uma coisa diferente. O Inter queria ser campeão da Libertadores de todo jeito. Eu seria visto como um gremista assumindo e que, não conseguindo, terria algumas dificuldades. Neste momento, é diferente, não tem aquele projeto oficial. Sou um profissional", analisou.

Com informações do Lancepress e Gazeta Press

Profissional, Felipão não recusaria proposta de Corinthians ou Inter apenas pela rivalidade com os clubes que tem mais identificação: Palmeiras e Grêmio
Profissional, Felipão não recusaria proposta de Corinthians ou Inter apenas pela rivalidade com os clubes que tem mais identificação: Palmeiras e Grêmio
Foto: Agência Lance
Fonte: Terra
Publicidade