PUBLICIDADE

No reencontro, São Paulo vira e se vinga do Cruzeiro

6 set 2009 17h51
| atualizado às 19h51
Publicidade

Demorou 80 dias, mas o São Paulo enfim conseguiu "vingar" a eliminação sofrida nas quartas de final da Libertadores da América deste ano. No Estádio do Mineirão, onde o time paulista costuma se dar bem contra o rival, a equipe tricolor contou com jogadores que saíram do banco de reservas para virar o duelo para 2 a 1 na tarde deste domingo, bater o algoz Cruzeiro e alcançar a terceira posição do Campeonato Brasileiro.

» Veja fotos da partida
» Veja a classificação atualizada
» Confira a tabela completa
» Receba os gols do seu time pelo celular
» Comente a virada do São Paulo em BH

Em situação delicada durante a maior parte do jogo, quando foi dominado pelos mandantes, a equipe de Ricardo Gomes usou a estrela de dois atletas que começaram na reserva para voltar a festejar. Marlos e Borges entraram no decorrer do segundo tempo para minimizar os desfalques tricolores e selar a recuperação do time na competição, após duas partidas sem vitórias.

Com a virada suada, os atuais tricampeões brasileiros sustentam a marca de cinco anos de invencibilidade sobre o Cruzeiro em Minas Gerais. A última vitória celeste sobre o São Paulo ocorreu em 23 de maio de 2004, no mesmo Mineirão. Desde então, foram seis triunfos do clube paulista e quatro empates. No entanto, a lembrança mais recente na cabeça dos paulistas era mesmo a eliminação deste ano, quando perdeu o primeiro jogo em Minas Gerais, por 2 a 1, e foi batida de novo no Morumbi, por 2 a 0.

Agora, o São Paulo alcança 40 pontos, iguala a marca do Internacional, atual vice-líder e que ainda entra em campo neste domingo, e salta da quarta para a terceira posição, deixando para trás o Goiás. No entanto, permanece quatro atrás do primeiro colocado Palmeiras, desvantagem que tinha antes do início da rodada. Enquanto isso, o Cruzeiro estaciona nos 29 e fica cada vez mais distante do bloco de cima da tabela.

Assim que a bola rolou no gramado do Mineirão, o São Paulo mostrou não sentir o fato de jogar longe de casa e teve mais posse de bola. Apesar do domínio do jogo, dava sinais claros que sentia as ausências dos organizadores Jorge Wagner e Hernanes e pouco criava. Desta forma, as melhores chances aconteceram mesmo do outro lado do campo, a favor do Cruzeiro.

Na primeira grande oportunidade, Gilberto bateu falta com força e obrigou Rogério Ceni a fazer grande defesa no ângulo, aos 12min. Em seguida, foi a vez de Jonathan receber passe dentro da área e fazer o camisa um são-paulino se esticar para evitar a abertura do placar. No entanto, no último lance da etapa inicial, o ídolo tricolor nada pôde fazer para evitar a festa mineira.

Aos 43min, aproveitando um erro na saída de bola dos paulistas, o Cruzeiro abriu o placar com Diego Renan, que recebeu passe de Gilberto e finalizou na saída de Ceni para estufar as redes. E na volta dos vestiários, os mandantes ampliaram a superioridade e quase marcaram aos 2min, primeiro com o mesmo autor do gol, e no rebote com Soares, que mandou para fora.

Sem conseguir ampliar a vantagem, o Cruzeiro sofreu o castigo aos 16min. Três minutos depois de entrar em campo na vaga de Hugo, o jovem meia Marlos recebeu na esquerda, passou pela marcação mineira e finalizou com a perna esquerda para superar o goleiro Fábio. A nova igualdade no marcador fez com que o time de Adílson Batista se lançasse com maior frequência ao ataque e desse início à grande pressão.

Mas quem voltou a festejar no Mineirão foi mesmo o São Paulo, em novo contra-ataque e mais um jogador que saiu da reserva. Aos 36min, três minutos depois de substituir Washington, Borges mostrou ter oportunismo para completar um cruzamento de Dagoberto e jogar para o fundo das redes do Cruzeiro, que ainda insistiu até o final, mas não evitou a derrota diante de seus torcedores.

FICHA TÉCNICA

Cruzeiro 1 x 2 São Paulo

Gols
Cruzeiro: Diego Renan, aos 43min do 1º tempo
São Paulo: Marlos, aos 19min, e Borges, aos 36min do 2º tempo

Pontos Fortes do Cruzeiro
- Descidas pelo lado esquerdo do ataque, principalmente com Diego Renan, que se tornou a principal ameaça à defesa do São Paulo;
- Boa marcação exercida nas principais armas do São Paulo no primeiro tempo, o meia Hugo e o atacante Dagoberto

Pontos Fortes do São Paulo
- Estrela de Ricardo Gomes, que mandou a campo no segundo tempo os jogadores Marlos e Borges, responsáveis pelos gols que decretaram a virada no Mineirão;
- Atuação de Richarlyson no meio-campo, mostrando força na marcação e boa saída de bola

Pontos Fracos do Cruzeiro
- Queda de rendimento nos minutos finais, momento em que permitiu a reação são-paulina;
- Fraco início de partida, período em que mesmo empurrado pelo seu torcedor, assistiu o domínio do São Paulo e pouco ameaçou a meta de Rogério Ceni

Pontos Fracos do São Paulo
- Excesso de passes errados no meio-campo;
- Falta de criatividade do meio-campo, sentindo as ausências de Hernanes e Jorge Wagner;
- Erros de posicionamento da defesa

Personagem do jogo
Marlos, do São Paulo

Esquema Tático do Cruzeiro
4-4-2
Fábio; Jonathan, Gil, Fabinho e Diego Renan; Henrique, Fabrício, Elicarlos e Gilberto (Bernardo); Thiago Ribeiro e Wellington Paulista (Soares) (Guerrón); técnico: Adílson Batista

Esquema Tático do São Paulo
3-5-2
Rogério Ceni; André Dias, Renato Silva e Rodrigo; Jean, Richarlyson, Arouca, Hugo (Marlos) e Júnior César; Dagoberto (Wellington) e Washington (Borges); técnico: Ricardo Gomes

Cartões Amarelos
Cruzeiro: Elicarlos
São Paulo: André Dias, Richarlyson e Arouca

Árbitro
Luiz Antonio Silva Santos (RJ)

Local
Estádio Mineirão, em Belo Horizonte (MG)








Fonte: Terra
Publicidade