2 eventos ao vivo

Campeão, Paulinho exalta "ataque brasileiro" da Seleção sub-17

20 mar 2017
19h41
  • separator
  • comentários

O Brasil se sagrou campeão do Campeonato Sul-Americano sub-17 após vencer o Chile por 5 a 0 e uma das principais características do time foi o ataque, que balançou as redes adversárias 24 vezes. Depois de desembarcar em solo brasileiro, o atacante Paulinho comentou sobre essa campanha da Seleção Brasileira.

"Foi um ataque maravilhoso. Vinicius, Lincoln e tinha o Vitinho que foi machucado (para a competição) e é um dos titulares. Nosso ataque se mostrou um ataque brasileiro, como o rime profissional com Coutinho, Neymar e Gabriel Jesus", comentou, em entrevista ao Sportv, a jovem promessa da base vascaína e que ressaltou a união do elenco que já vem atuando junto desde o sub-15. "Com certeza (a manutenção da base do sub-15 ajudou). Ficamos 50 dias juntos, com isso, ficou muito mais fácil para nos conhecermos ainda mais e levar isso para o campo. Tínhamos entrosamento tanto dentro como fora de campo".

Durante a entrevista, o jogador de 16 ainda contou como foi a escolha do capitão da equipe, o zagueiro Vitão, e ainda revelou quais foram as diferenças encontradas na categoria em relação ao sub-15

"O capitão foi o Vitão. É muito difícil conviver 50 dias com pessoas de vários lugares. Então fomos conversando e decidimos que o capitão tinha que ser o Vitão. Vimos que ele tinha intimidade com o elenco todo. Tudo foi feito com a comissão técnica e foi uma excelente escolha", afirmou Paulinho. "A maior diferença foi o nível de força e intensidade. No sub-15 a gente fez muitas goleadas. A gente conseguiu golear nesse torneio, mas foi muito mais difícil. Até a gente fazer o primeiro gol, colocar o jogo em prática, era difícil".

Leia mais: Tite comanda treino leve em seu retorno ao CT Joaquim Grava

Durante a partida contra o Chile na última rodada, que calhou de ser entre as duas primeiras seleções do hexagonal final, Paulinho recebeu a visita inesperada de seu irmão e sua tia. "Foi uma surpresa. Eu já sabia que a minha mãe iria (para o Chile). A surpresa foi meu irmão e minha tia. Fui tirar uma foto com a minha mãe e eles aparecem ali atrás. Quando eu olhei, eram eles. Foi como um presente para o meu irmão, ele acabou de completar 18 anos".

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade