PUBLICIDADE

Inédito! Chile derruba "favorita" Argentina e encerra seca

4 jul 2015 19h48
| atualizado em 5/7/2015 às 00h22
ver comentários
Publicidade

O Chile nunca tinha conquistado um título grande. A Argentina não levantava um trofeu com a seleção principal há 22 anos. Eram tabus longos demais para serem quebrados com facilidade. Todos queriam muito, mas também tinham medo excessivo de perder a chance. Então, a final da Copa América foi dramática, tensa, arrastada, brigada e sofrida até o final, justificando a vontade que os dois times tinham de sair da seca.

Após 120 minutos de bola rolando, 0 a 0. A impressão era que ninguém conseguiria respirar aliviado. Mas nos pênaltis, finalmente o Chile conseguiu soltar o grito de "campeão", com vitória por 4 a 1. Foi a consagração perfeita da melhor geração que o Chile já teve, treinada por um dos melhores técnicos sul-americanos da atualidade: Jorge Sampaoli. Para a Argentina, que era favorita até nas casas de aposta do Chile, resta chorar o segundo vice-campeonato em menos de um ano. Veja detalhes de cada lance do jogo.

No começo do jogo chamaram atenção as mudanças que o treinador Sampaoli promoveu na defesa para conseguir parar a Argentina. O volante Marcelo Díaz recuou para jogar como zagueiro, e Gary Medel foi deslocado para o lado esquerdo, encostando mais em Lionel Messi. Além disso, o lateral Isla jogou praticamente como zagueiro para marcar Di María (que deu lugar a Lavezzi no meio do primeiro tempo). Mas tantas mudanças defensivas não significaram que o Chile ficou recuado. Foi comum ver as linhas do time avançarem e fazerem pressão nos defensores argentinos.

E no ataque o Chile não mudou, continuou inspirado, dominando o jogo e mostrando por que era o time com mais gols marcados na Copa América. Criou as melhores chances no primeiro tempo, inclusive com um chutes perigosos de Vidal, Vargas e Sánchez de dentro da área. Valdivia também teve uma boa oportunidade no início, mas preferiu tocar em vez de chutar.

Messi levou um chute de Medel na barriga
Messi levou um chute de Medel na barriga
Foto: Getty

A Argentina foi muito pobre ofensivamente. Não armou, não se livrou da boa marcação chilena e sequer aproveitou os raros contra-ataques. Bravo fez duas boas defesas, em cabeceio de Aguero e chute de Lavezzi, mas foram lances esporádicos ainda no primeiro tempo. O técnico Tata Martino não conseguiu melhorar o time nem com orientações no vestiário e nem com alterações no segundo tempo.

O Chile teve incrível chance aos 36min do segundo tempo, quando Sánchez recebeu passe na área, mas chutou de primeira para fora, perto da trave. Mas a Argentina ainda assustou nas duas formas que podia: bola aérea e contra-ataque. Primeiro houve um pênalti de Medel em Rojo que o juiz não marcou. Depois Messi iniciou uma jogada que por pouco não terminou em gol de Higuain.

Medel expressa a emoção do Chile após a conquista do seu primeiro grande título da história no futebol profissional
Medel expressa a emoção do Chile após a conquista do seu primeiro grande título da história no futebol profissional
Foto: Felipe Zanca / Latin Content/Getty Images

Ao contrário do que aconteceu em todos jogos anteriores, o empate até os 90 minutos levou o jogo para a prorrogação. Os 30 minutos extras foram sonolentos, com exceção de alguns contra-ataques. Sanchéz mais uma vez perdeu a melhor chance do Chile. A Argentina sequer assustou. E até o juiz queria que a partida fosse logo para os pênaltis, já que encerrou dez segundos antes do normal, sem qualquer acréscimo.

Banega para nas mãos de Bravo, e Chile fatura título inédito
Banega para nas mãos de Bravo, e Chile fatura título inédito
Foto: Miguel Tovar / Latin Content/Getty Images

Nos pênaltis os erros decisivos foram de Higuain, que chutou para fora, e Banega, que teve a cobrança defendida por Bravo. Messi tinha acertado o primeiro. Pelo Chile, Fernández, Vidal, Aránguiz e Sánchez acertaram, sendo que o atacante do Arsenal até arriscou uma "cavadinha" no último pênalti da noite, levando a torcida à loucura! 

Valdivia irritado

Valdivia deu chilique no banco de reservas
Valdivia deu chilique no banco de reservas
Foto: Felipe Zanca / Latin Content/Getty Images

Aos 29min do segundo tempo, Sampaoli resolveu fazer a primeira substituição e causou polêmica: tirou Jorge Valdivia para colocar Matías Fernández. É claro que o meia não ficou nada satisfeito, saiu falando palavrão, balançando a cabeça e sequer cumprimentou o companheiro no meio-campo. Ele teve uma atuação abaixo do esperado e não encerrou bem uma Copa América na qual estava brilhando. Pelo menos comemorou no final.

Nada de Tevez

Lavezzi, Higuain e Banega. Esses foram os jogadores que Tata Martino colocou em campo durante a partida. Mais uma vez Carlos Tevez, que teve uma ótima temporada pela Juventus, ficou no banco de reservas. 

Twitter de olho

Mesmo sem o Brasil na final da Copa América, os brasileiros agitaram as redes sociais por causa de Chile x Argentina. Durante toda a partida, diversas palavras relacionadas ao jogo estiveram entre as mais citadas do Twitter: Chile, Di María, Tevez, Bravo, Valdivia, Higuain, Rojo, etc...

Artilharia magra

Vargas foi bem na semifinal, mas perdeu uma ótima chance no primeiro tempo da decisão
Vargas foi bem na semifinal, mas perdeu uma ótima chance no primeiro tempo da decisão
Foto: Hector Vivas / Latin Content/Getty Images

Eduardo Vargas (quatro gols) e Kun Aguero (três gols), que estavam na briga pela artilharia da Copa América, tiveram atuações tão discretas que até foram substituídos durante a partida. Arturo Vidal tinha três e jogou bem, mas desperdiçou boas chances de virar o grande artilheiro. Com isso, Paolo Guerrero e o próprio Vargas acabaram como goleadores do torneio, com apenas quatro gols em seis jogos.

Copa das Confederações

Foto: Miguel Tovar / Latin Content/Getty Images

Quatro seleções estão com vagas garantidas na Copa das Confederações de 2017: Rússia (sede), Alemanha (atual campeã da Copa do Mundo), Austrália (campeã da Ásia) e agora o Chile disputará a competição pela primeira vez. 

Ficha da partida

CHIChile
ArgentinaARG
  • Claudio Bravo
  • Mauricio Isla
  • Gary Medel
  • Jean Beausejour
  • Charles Aránguiz
  • Francisco Silva
  • Marcelo Diaz
  • Jorge Valdivia
  • Matias Fernandez
  • Arturo Vidal
  • Alexis Sanchez
  • Eduardo Vargas
  • Angelo Henriquez
  • Sergio Romero
  • Pablo Zabaleta
  • Martin Demichelis
  • Nicolás Otamendi
  • Marcos Rojo
  • Javier Mascherano
  • Lucas Biglia
  • Javier Pastore
  • Ever Banega
  • Lionel Messi
  • Angel Di Maria
  • Ezequiel Lavezzi
  • Sergio Aguero
  • Gonzalo Higuain

Reservas

  • Matias Fernandez
  • Angelo Henriquez
  • Ever Banega
  • Ezequiel Lavezzi
  • Gonzalo Higuain
  • Capitão
  • Goleiro
  • Cartões amarelos
  • Cartões vermelhos
  • Gols
  • Gols contra
  • Saiu
  • Entrou

Arbitragem

  • ÁrbitroWilmar Roldán

    Local

    Nacional de Chile

     

    Fonte: Terra
    Publicidade
    Publicidade