0
MMA

Anderson Silva resiste a uniformes obrigatórios no UFC

Patrocinado por marca diferente da parceira do UFC, lutador diz em entrevista ao Terra que "não vai ter verdade" se usar nova marca e cogita continuar com antigos uniformes

29 jan 2015
10h53
atualizado às 11h00
  • separator
  • comentários

Após 20 anos de existência, o UFC se prepara para uma das mudanças mais drásticas de sua história. Anunciado em dezembro do ano passado, a organização fechou um contrato milionário com a Reebok para a produção de uniformes para os lutadores, que serão obrigatórios a partir de julho deste ano. A decisão dividiu opiniões e não agradou Anderson Silva, um dos principais garotos-propaganda da competição, que volta ao octógono neste sábado, contra Nick Diaz, em Las Vegas, nos Estados Unidos.

"Eu não gosto dessa ideia. Quando você usa uma marca, ela precisa passar verdade, precisa existir uma ligação. Não tenho identificação nenhuma com a Reebok. Sempre usei Nike, mesmo antes de ter contrato. Não é porque acabou nosso vínculo que eu vou parar de usar. É uma verdade, uma marca que me identifico. Não adianta colocar uma marca que não tenha um relacionamento", disse o brasileiro em entrevista exclusiva ao Terra.

<p>Anderson Silva não concorda com obrigatoriedade do uso de uniformes no UFC</p>
Anderson Silva não concorda com obrigatoriedade do uso de uniformes no UFC
Foto: Ricardo Matsukawa / Terra

A medida entrará em vigor a partir do dia 6 de julho, quando terá início a "International Fight Week", evento promovido pela organização em Las Vegas. Desta data em diante, incluindo durante as atividades da semana da luta, os atletas estarão proibidos de utilizar produtos de outras marcas que não os fornecidos pelo UFC em parceria com a Reebok.

Anderson demonstra resistência em aceitar a ideia e, quando perguntado sobre a obrigatoriedade, mostra que Dana White, presidente do UFC, terá trabalho para convencer os atletas.

"Não vou usar porque não vai ter verdade, não posso passar para os meus fãs uma coisa que não é verdade. Sempre mando fazer meus uniformes e talvez continue usando eles. Ainda não renovei meu contrato com a Nike, mas não uso a marca por ser mais forte, mas sim porque sempre usei. Aliás, não só eu, mas toda minha família, só usamos Nike e Adidas", completou.

<p>Jon Jones é um dos garotos-propaganda da Reebok</p>
Jon Jones é um dos garotos-propaganda da Reebok
Foto: Divulgação

Sem as estampas de seus patrocinadores durante a semana das lutas, e o uso dos famosos banners, exibidos no octógono durante as apresentações dos lutadores, dava a entender de que os atletas perderiam receita com essa decisão. Porém, durante o anúncio oficial, Dana White fez questão de dizer que boa parte desse dinheiro será revertido para os atletas.

"Esse é o maior acordo fora da televisão que já fizemos e todo dinheiro que fizermos vai para os lutadores. Todo o dinheiro. Todo o dinheiro que fizermos em seis anos vai para os lutadores. Tudo o que vendermos com o nome de um lutador, ele recebe 20% do lucro", explicou o chefão do UFC.

Sobre a melhora de receita dos lutadores, Anderson tentou ver um ponto positivo do acordo, mas defendeu o livre arbítrio. "Pode ser que venha (a melhorar) mais para frente, ter alguma coisa positiva (...) Deveria existir o livre arbítrio: quem quer usa, que não quer não usa", finalizou.

Anderson Silva descarta temor por nova fratura: "é passado"
"Feliz", Anderson Silva quer ter sabedoria na volta ao UFC
UFC: Anderson Silva abraça criança e recebe apoio da torcida
Chutes, socos e joelhadas! Anderson Silva volta no UFC 183
Anderson Silva treina chão, velocidade e boxe para UFC 183
UFC 183: treino de Anderson Silva tem bom humor e dancinhas

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade