PUBLICIDADE
Logo do

Palmeiras

Favoritar Time

Recriminado por dizer que não sofreu pênalti, Alex critica Barcos

30 out 2012 17h15
| atualizado às 18h17
Publicidade

Alegando ouvir sua família, Alex preferiu o Coritiba ao Palmeiras, mas não deixa de comentar sobre o clube que defendeu por três passagens entre 1997 e 2002. O meia criticou Barcos por ter usado a mão em gol anulado na derrota para o Inter e argumentou: sofreu no clube ao ter admitido que não sofreu pênalti em clássico contra o Corinthians pelo Brasileiro de 1997.

Depois de ir a Bogotá com um time misto, o Palmeiras foi derrotado para o Millonarios por 3 a 0 e foi eliminado da Copa Sul-Americana. O time alviverde desembarcou no Aeroporto de Guarulhos, já pensando nos próximos jogos do Campeonato Brasileiro e focado para sair da zona de rebaixamento
Depois de ir a Bogotá com um time misto, o Palmeiras foi derrotado para o Millonarios por 3 a 0 e foi eliminado da Copa Sul-Americana. O time alviverde desembarcou no Aeroporto de Guarulhos, já pensando nos próximos jogos do Campeonato Brasileiro e focado para sair da zona de rebaixamento
Foto: Bruno Santos / Terra

» Veja como eram os astros do futebol mundial na infância

"Por muito tempo fui recriminado no Palmeiras por ter dito que o lance não foi pênalti. Mas nunca concordei com essa história de tirar vantagem de algo errado", apontou o badalado reforço do clube paranaense ao SporTV. "O Barcos não deveria ter usado a mão para fazer o gol, porque não é um lance legal", prosseguiu, logo citando o lance no qual recebeu reprovações no Palmeiras.

"Durante um jogo contra o Corinthians em 1997, o Rodrigo, lateral, me derrubou na área e me atirei para evitar ser atingido e sofrer uma lesão. O árbitro deu pênalti. O Zinho bateu, fez gol e a partida acabou empatada. Depois do jogo, vieram perguntar do lance e falei que só foi pênalti porque o árbitro deu, que eu não tinha sofrido. Admiti que o lance foi fora da área", contou.

O jogo ocorreu em 28 de setembro de 1997, no Morumbi, e terminou 2 a 2. O árbitro era Ubiraci Damásio de Oliveira, do Rio de Janeiro. O Palmeiras, então comandado por Luiz Felipe Scolari, saiu na frente com Oséas aos 27 minutos do primeiro tempo. Mirandinha empatou aos quatro do segundo tempo, o goleiro Velloso, do Palmeiras, e o atacante Donizete, do Corinthians, foram expulsos seis minutos depois, Mirando virou aos dez, já com Marcos no gol alviverde, e Zinho definiu o placar convertendo pênalti aos 25 minutos da etapa final.

A favor do clube alviverde, Alex só questionou a interferência externa alegada pelo clube na invalidação do gol de Barcos. O departamento jurídico alega ter provas de que repórteres informaram o toque de mão ao delegado da partida, Gerson Antonio Baluta, responsável por repassar o aviso ao quadro de arbitragem, e por isso foi enviado ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) um pedido de anulação da derrota para o Inter.

"O árbitro também não poderia ter ouvido um terceiro, uma pessoa que não estava envolvida no jogo. Mas não sou nunca a favor de tirar vantagem em um lance. Não gosto dessa situação", reforçou Alex.

Baixe gratuitamente o aplicativo Sigo meu Time e acompanhe seu time do coração

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade