1 evento ao vivo

Alemanha usa base do Bayern e traz estilo Guardiola à Copa

27 jun 2014
18h35
atualizado às 19h41
  • separator
  • 0
  • comentários

Pep Guardiola comandou umas das equipes mais fantásticas da história com o Barcelona entre 2008 e 2012. Sob seu trabalho, o time catalão era uma máquina de passes trocados, mas que também contava com a maestria de Lionel Messi. O treinador está desde 2013 à frente do Bayern de Munique, e o estilo pode ser visto na Copa do Mundo de 2014 não em sua Espanha natal, mas na Alemanha.

Alemanha conta com sete jogadores do Bayern, entre eles Lahm, Kroos e Müller
Alemanha conta com sete jogadores do Bayern, entre eles Lahm, Kroos e Müller
Foto: Marcos Brindicci / Reuters

Quer acompanhar as notícias e jogos da sua seleção? Baixe nosso app. #TerraFutebol

A seleção germânica de Joachim Low conta com sete jogadores do clube bávaro, sendo que todos costumam frequentar o time titular: o goleiro Manuel Neuer, o defensor Jerome Boateng e os meio-campistas Philipp Lahm, Bastian Schweinsteiger, Toni Kroos, Mario Gotze e Thomas Müller, sendo que os dois últimos atuam mais avançados.

Contra os Estados Unidos, na última rodada da fase de grupos, Sami Khedira, do Real Madrid, foi poupado, o que fez com que o meio-campo fosse formado por três alunos de Guardiola: Lahm, Schweinsteiger e Kroos. A vitória germânica por 1 a 0 acabou sendo a partida com mais passes trocados da Copa, com 1277.

"Schweinsteiger, Kroos e Lahm fizeram um meio de campo dominante. Lahm na frente da defesa foi muito bem para pegar a bola e organizar o jogo", disse Low. "Fomos o time dominante, tivemos uma boa organização e até o final não demos chance de marcar. Estávamos presentes no campo e fomos com a vontade de vencer".

O resultado da base do Bayern de Guardiola é que a Alemanha foi o time que mais trocou passes na primeira fase da Copa do Mundo. Foram 2120 passes em três jogos e com uma perícia de 85% de acerto. Atrás dos germânicos vem a Espanha, com o tradicional tiki-taka, com 2071 passes.

Entretanto, a Alemanha está nas oitavas, enquanto os espanhóis caíram na primeira fase. A diferença está na eficiência ofensiva e na solidez defensiva do time de Low. Os alemães tentaram 37 finalizações (bem menos que a França, com 62) na primeira fase, duas a mais que a Espanha, mas marcaram sete gols e levaram apenas dois. Já a equipe de Vicente del Bosque fez quatro e levou sete.

<p>Manuel Neuer (esquerda) corre ao lado de colega de equipe Bastian Schweinsteiger; ambos são jogadores do Bayern de Munique</p>
Manuel Neuer (esquerda) corre ao lado de colega de equipe Bastian Schweinsteiger; ambos são jogadores do Bayern de Munique
Foto: Arnd Wiegmann / Reuters

Em 2010, a Espanha também demonstrava perícia no passe, e o bom momento técnico e físico de jogadores como Xavi Hernandez, Andrés Iniesta e Carles Puyol foram decisivos para que o título viesse a um time que fazia poucos gols, mas levava menos ainda. Na África do Sul, os espanhóis tiveram uma média de 561,3 passes certos por jogo. Em 2014, a Alemanha já apresenta um aproveitamento melhor: 597,3.

"Sabíamos que se fôssemos bem, seriamos os primeiros do grupo. Sempre tem uma coisa ou outra para melhorar ou mudar. Poderíamos ter criado mais, isso temos que melhorar. Mas a organização e agressividade funcionaram muito bem", afirmou Low.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade