1 evento ao vivo

Decisão no Mineirão leva brasileiros a se distanciarem de amigos argentinos

Semifinal da Copa América vai transformar em adversários jogadores que são companheiros em seus clubes

30 jun 2019
04h41
  • separator
  • 0
  • comentários

A semifinal da Copa América, na próxima terça-feira, vai transformar em rivais por uma noite jogadores que são amigos e colegas de clube durante o ano inteiro no futebol europeu. O jogo no Mineirão significa para brasileiros e argentinos deixar de lado temporariamente o companheirismo do dia a dia em prol da vitória de suas seleções.

Os dois elencos envolvidos na semifinal têm juntos 19 jogadores que são colegas em algum time na Europa. Por isso, antes da partida haverá muitos cumprimentos e conversas informais de quem no dia a dia divide espaço nos clubes e até tem uma relação de amizade fora de campo contra quem terá de batalhar na Copa América para defender a bandeira de seus países.

O zagueiro Thiago Silva é um exemplo disso. O clube dele, o Paris Saint-Germain, teve cinco atletas brasileiros e argentinos convocados para a competição. Na entrevista coletiva deste sábado, na Cidade do Galo, o jogador foi questionado pelo Estado sobre a dificuldade de enfrentar colegas de clube e aproveitou para mandar um recado.

"Eu quero até parabenizar o (Leandro) Paredes (volante argentino). É aniversário dele", disse. O zagueiro brasileiro comentou que o fato de os jogadores se conhecerem bem ajuda a identificar quais pontos fortes de cada adversário devem ser cuidados com atenção. "O Paredes sabe dar passes muito bons entre as linhas de marcação", completou Thiago Silva, que no PSG também atua junto com o argentino Di María.

O respeito e o carinho mútuo entre os jogadores de Brasil e Argentina levou na última semana ao meia Philippe Coutinho a enviar mensagem de aniversário para Lionel Messi. Os dois jogam juntos no Barcelona, além do volante brasileiro Arthur. Os três estão no grupo de WhatsApp do clube catalão, onde continuam ativos nas mensagens mesmo agora, no período da Copa América.

O próprio Messi tem como um dos grandes amigos no futebol o lateral-direito Daniel Alves. Os dois jogaram juntos no Barcelona por oito temporadas e mantêm contato até hoje, principalmente por redes sociais.

O outro clube bem representado no clássico é o Manchester City, com três brasileiros e dois argentinos. Enquanto na rotina de trabalhos na Inglaterra o zagueiro argentino Otamendi marca Gabriel Jesus nos treinos, agora ele terá de encarar o colega para valer, como adversário. Os dois devem ser titulares no Mineirão.

Também há companheiros e rivais em times como a grande sensação da última Liga dos Campeões, o Ajax, com Tagliafico e David Neres, a Juventus, de Dybala e Alex Sandro, e mais a Inter de Milão, de Lautaro Martinez e Miranda.

PIADA

A proximidade também abre brecha para outro malefício do futebol: o "sarro" sofrido por aquele que perde alguma partida. Quem se der mal na semifinal deve se preparar para ouvir piadas no retorno ao clube após as férias.

"Dentro do campo a rivalidade continua a mesma. Cada um briga pelo seu na hora do jogo. Quando voltar para Paris eu não quero ser zoado pelos dois (Di María e Paredes). Eu que quero é poder zoar os dois pelo jogo", disse Thiago Silva.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade