0
Logo do Brasileiro Série B
Foto: terra

Brasileiro Série B

No Vasco, goleiro conquista respeito e esquece bacalhau

13 jun 2009
08h24
atualizado às 08h54

Três anos e meio depois de brilhar no União de Leiria, em Portugal, onde foi eleito por duas temporadas como o melhor jogador do time, o goleiro Fernando Prass se transformou na principal atração vascaína. Suas defesas salvadoras dão ao técnico Dorival Júnior a certeza de que o gol é o único setor que não dá dor de cabeça ao treinador. Neste sábado, ele estará em campo, contra o Guarani, às 16h (horário de Brasília), em Campinas.

» Alex Teixeira ganha chance e será titular no Vasco
» Botafogo busca primeira vitória em quase 2 meses
» De cabeça quente, Cuca balança no comando do Fla
» Leia as últimas do Vasco

O próprio capitão e ídolo do clube, Carlos Alberto, é o primeiro a enaltecer as qualidades do camisa 1. "O Fernando Prass nos deixa dormir tranquilos. O cara é um paredão", elogia o meia.

Descendente de alemães, o gaúcho criado em Viamão agradece os elogios, mas sabe que se vacilar o ex-titular Tiago retoma a posição. Aos 30 anos deixou a vida segura e previsível de Leiria, para vir disputar a Série B. "Tive convite para renovar com o clube português e outras propostas. Mas acreditei no projeto vascaíno", conta.

A volta para o Brasil não foi tão simples e esbarrou num obstáculo doméstico. A mulher, Letícia, ao saber do desejo de jogar no Rio, não aceitou a mudança. "Temos um casal de gêmeos e a imagem do Rio no exterior é a pior possível por conta da violência. Foi um custo para convencê-la de que todas as capitais do mundo estão violentas", conta.

Saudade do bacalhau e sonho com a Seleção

Morando na Barra da Tijuca, ele ainda não sentiu falta da calmaria vivida em Leiria, onde o bacalhau era farto, o vinho delicioso e a vizinhança amistosa. "Acabei me apaixonando pelo bacalhau. Eles são especialistas no preparo do peixe. O meu predileto ficou sendo o bacalhau à nata, uma espécie de suflê delicioso, que era servido acompanhado de vinho frisante", recorda.

Ligado no futebol internacional, Fernando Prass contou que a reogarnização do futebol brasileiro também contribuiu para que ele retornasse. "Os clubes estão se reestruturando. Caíram na real e constataram que se não fizerem um trabalho sério, seriam rebaixados mesmo. Não tem mais viradas de mesas. Por isso tantos jogadores estão fazendo o caminho inverso, deixando a Europa e retornando ao Brasil".

Fernando Prass sabe de casos em que o jogador retorna aos clubes brasileiros com salários quase iguais aos que recebia no exterior. "Em Portugal, por exemplo, vários clubes estão quebrando. Já não é tanta vantagem jogar lá fora".

Garantido no jogo deste sábado contra o Guarani, em Campinas, ele acredita numa vitória. "O nosso time está bem arrumado, confiante e disposto a conseguir mais três pontos. Temos que decolar de novo".

Apesar dos 30 anos, Fernando Prass ainda acredita na possibilidade de ser convocado para a Seleção Brasileira. "É um sonho antigo. Quem sabe não tenho uma chance?", concluiu.

Ídolo em Portugal, Fernando Prass rapidamente conquistou respeito e virou titular no Vasco
Ídolo em Portugal, Fernando Prass rapidamente conquistou respeito e virou titular no Vasco
Foto: Agência Lance
Fonte: O Dia

compartilhe

publicidade
publicidade