Santos

Santos

publicidade
21 de setembro de 2012 • 18h50 • atualizado às 19h55

Torcida santista faz abaixo-assinado para tirar Ganso de muro do CT

Maneira como meia deixou a Vila Belmiro para reforçar o São Paulo revoltou parte da torcida santista
Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net / Divulgação

A conturbada transferência do meia Paulo Henrique Ganso do Santos para o São Paulo parece que não será esquecida tão cedo pelos torcedores do clube praiano. Isto porque, com a ida para o rival da capital paulista, o antigo "maestro" da Vila Belmiro pode ter a sua imagem apagada do muro do CT Rei Pelé.

Pelo menos é o que deseja um grupo de torcedores santistas, que têm feito um abaixo-assinado na internet, buscando encaminhar o documento para a avaliação do caso pela cúpula alvinegra.

"Abaixo-assinado que será encaminhado ao Santos Futebol Clube e ao artista Paulo Consentino para que sejam apagadas todas as imagens do ex-atleta Paulo Henrique Ganso. A torcida santista merece que o espaço seja ocupado por quem verdadeiramente honrou o manto e a camisa que foi de Pelé", diz a mensagem, que circula pelas redes sociais nesta sexta-feira.

Consentino foi o artista plástico responsável pela obra, que contou com mutirões de torcedores do Santos, para ser entregue como presente no dia do centenário da agremiação: 14 de abril. O muro do CT Rei Pelé possui imagens de ídolos que marcaram a história do Santos.

A diretoria santista ainda não se manifestou sobre a ação desse grupo de torcedores. Vale lembrar que, durante o imbróglio, antes do desfecho da negociação com o time tricolor, mensagens pedindo a saída de Ganso do clube santista foram pichadas, como ocorreu após a derrota para o Bahia, por 3 a 1, no dia 29 de agosto, na Vila Belmiro. Na ocasião, o meio-campista foi alvo de uma "chuva" de moedas por parte da torcida, naquela que acabou sendo a sua última apresentação pela equipe praiana.

Na madrugada desta sexta, logo após a assinatura da rescisão contratual de Paulo Henrique Ganso com o Santos, e o acerto do vínculo do atleta com os são-paulinos, o vice-presidente alvinegro, Odílio Rodrigues, foi questionado se o meia deixava o clube como ídolo.

"Acho que isso é para a avaliação de cada um. É difícil fazer essa análise. Ele é um bom jogador e teve bons momentos durante a atividade dele no Santos. Acho que existiram vários conflitos (por conta de questões contratuais), mas o importante é que foram respeitados os desejos das partes", opinou.

Durante sua passagem pelo clube praiano, Ganso ajudou o time santista a conquistar cinco títulos: três estaduais (2010, 2011 e 2012), uma Copa do Brasil (2010) e uma Copa Libertadores da América (2011).

De camisa 10 ideal a meia contestado

Ganso, revelado nas categorias de base do Santos, começou no clube em 2008, junto a Neymar, a maior estrela do time na atualidade. Desde que chegou ao time profissional, a carreira de Ganso se revezou em sobes e desces. Nos primeiros anos, o jogador conquistou críticos e torcedores não apenas por ser uma das maiores promessas do futebol do Brasil, mas por ter surgido como protótipo do camisa 10 criativo e pensador, em falta nos últimos anos.

A trajetória de Ganso - que parecia traçar uma ascensão meteórica rumo ao estrelato nos principais gramados do mundo - teve, porém, um baque grande em 2010. No meio daquela temporada, o jogador sofreu grave lesão no ligamento cruzado de seu joelho.

A lesão deixou Ganso fora dos gramados por seis meses e comprometeu a sequência da carreira no Santos do jogador, que não conseguiu manter o nível de seu futebol e perdeu prestígio com a torcida.

A volta ao clube veio durante a Copa Libertadores de 2011, mas nem a conquista do título continental fez com que o meia retornasse a seus melhores dias no Santos. À sombra de Neymar, que se consolidava como grande ídolo e craque do Brasil, Ganso perdeu espaço na mídia e também na Seleção Brasileira. De camisa 10 incontestável, o jogador passou a opção para o meio-campo.

No time olímpico de Mano Menezes, que ficou com a prata na Olimpíada de Londres, o meia Oscar, do Internacional, vestiu a camisa 10 da equipe, a qual, há poucos anos, era reservada para o jogador santista.

Logo após a Olimpíada, intensificaram-se os boatos sobre uma possível saída do Santos. E o destino para Ganso se tornou justamente o rival São Paulo, que quis buscar na Vila Belmiro um substituto à altura para Lucas, negociado com o Paris Saint-Germain. O meia, dessa forma, rompe o contrato com a equipe praiana, com final estipulado para fevereiro de 2015.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva