publicidade
21 de setembro de 2012 • 20h20 • atualizado às 20h55

Triste com saída de Ganso, Neymar avisa: "vou ter que ganhar dele"

Meio-campista já posou com a camisa do São Paulo após longa negociação
Foto: Rubens Chiri/Sãopaulofc.net / Divulgação
 

Uma das duplas de maior sucesso dos últimos anos no futebol brasileiro, Neymar e Paulo Henrique agora são adversários. O atacante do Santos admitiu ter ficado triste com a notícia da saída do amigo para o São Paulo, em transferência que foi selada no início da madrugada desta sexta-feira. Ganso assinou por cinto temporadas com o time tricolor.

» Genialidade, títulos, lesões e vaias; relembre carreira de Ganso
» Relembre passo a passo e entenda a "novela Ganso"
» Contusões, títulos, atritos e paternidade; veja passagem de Ganso pelo Santos

"Fico muito triste porque além de um grande amigo, está indo embora um grande jogador. Ele é um craque, que fez de tudo pelo Santos. Deu muitos títulos para o clube e me deu muitos passes para gols. Fico bastante chateado de ele ir para outro clube", afirmou Neymar.

Indagado sobre como será disputar clássicos regionais contra os são-paulinos, com Paulo Henrique Ganso do lado adversário, o camisa 11 do Santos admitiu que, para ele, é uma sensação estranha pensar nessa situação.

Apesar disso, Neymar prometeu que não irá "aliviar" para o novo time do amigo e padrinho de Davi Lucca, filho do craque alvinegro. "Será um pouco diferente, pois vou jogar contra uma pessoa com quem passei muitos anos. Joguei a minha vida inteira com ele, praticamente. Mas já falei para o Ganso: agora eu vou ter de ganhar (dele)", concluiu a Joia, esbanjando bom humor.

Juntos, Neymar e Ganso foram campeões cinco vezes pelo Santos, sendo três títulos paulistas (2010, 2011 e 2012), um da Copa do Brasil (2010) e um da Copa Libertadores da América (2011).

De camisa 10 ideal a meia contestado

Ganso, revelado nas categorias de base do Santos, começou no clube em 2008, junto a Neymar, a maior estrela do time na atualidade. Desde que chegou ao time profissional, a carreira de Ganso se revezou em sobes e desces. Nos primeiros anos, o jogador conquistou críticos e torcedores não apenas por ser uma das maiores promessas do futebol do Brasil, mas por ter surgido como protótipo do camisa 10 criativo e pensador, em falta nos últimos anos.

A trajetória de Ganso - que parecia traçar uma ascensão meteórica rumo ao estrelato nos principais gramados do mundo - teve, porém, um baque grande em 2010. No meio daquela temporada, o jogador sofreu grave lesão no ligamento cruzado de seu joelho.

A lesão deixou Ganso fora dos gramados por seis meses e comprometeu a sequência da carreira no Santos do jogador, que não conseguiu manter o nível de seu futebol e perdeu prestígio com a torcida.

A volta ao clube veio durante a Copa Libertadores de 2011, mas nem a conquista do título continental fez com que o meia retornasse a seus melhores dias no Santos. À sombra de Neymar, que se consolidava como grande ídolo e craque do Brasil, Ganso perdeu espaço na mídia e também na Seleção Brasileira. De camisa 10 incontestável, o jogador passou a opção para o meio-campo.

No time olímpico de Mano Menezes, que ficou com a prata na Olimpíada de Londres, o meia Oscar, do Internacional, vestiu a camisa 10 da equipe, a qual, há poucos anos, era reservada para o jogador santista.

Logo após a Olimpíada, intensificaram-se os boatos sobre uma possível saída do Santos. E o destino para Ganso se tornou justamente o rival São Paulo, que quis buscar na Vila Belmiro um substituto à altura para Lucas, negociado com o Paris Saint-Germain. O meia, dessa forma, rompe o contrato com a equipe praiana, com final estipulado para fevereiro de 2015.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva